Putin diz que ainda decidiu com Medvedev sobre sucessão em 2012

Premiê russo elogia trabalho de colega e diz que apenas falará sobre eleições no futuro

Efe

09 de junho de 2010 | 13h00

MOSCOU - O primeiro-ministro russo, Vladimir Putin, afirmou nesta quarta-feira, 09, que ele e seu sucessor no Kremlin, o atual presidente Dmitri Medvedev, ainda não decidiram quem dos dois aspirará à chefia do Estado russo nas eleições de 2012.

 

"Naturalmente com o presidente Medvedev já estamos pensando nele (o processo de sucessão), mas concordamos em não nos preocuparmos com este problema e não nos distrairmos antes do tempo", disse Putin em uma entrevista com a mídia francesa citada hoje por agências russas.

 

Segundo Putin, o mais importante agora é que cada um deles cumpra seu "dever perante o povo da Rússia de forma honrada, digna, consequente e profissional", e dos resultados desse trabalho dependerá o que farão dentro de dois anos.

 

"Tem que chegar 2012. Apenas estamos em 2010. O principal é que posso servir meu povo, meu país", disse Putin, que foi presidente da Rússia entre 2000 e 2008, quando promoveu Medvedev - velho colaborador e então chefe do gabinete do Kremlin - como seu candidato à presidência.

 

Putin, a quem Medvedev, após sua eleição, recomendou por sua vez à chefia do governo como primeiro-ministro, dispõe de um "nível colossal de faculdades" e que as decisões que toma são "de grande responsabilidade".

 

"Eu gosto do que faço, do cargo que ocupo agora. Quando estivermos mais perto de 2012, veremos o que faremos", falou.

 

Acrescentou que o singular sistema "bicéfalo" de poder criado por ele e Medvedev e chamado pela imprensa local de "tandemocracia", é "eficaz" devido à estreita colaboração entre ambos na solução dos assuntos chaves do Estado.

 

"Igual a antes, não me importo de pegar o telefone e lhe dizer: 'escuta, preciso consultar você, faremos um acordo' (...) E ele também me chama em alguns casos para escutar minha opinião", assinalou o chefe do governo russo.

 

Medvedev, no poder desde maio de 2008, não descartou apresentar-se para a reeleição em 2012, quando o mandato presidencial será ampliado de quatro a dois anos, mas assegurou assim mesmo que tomará juntamente com Putin a decisão final sobre quem deles será candidato.

 

Putin "é uma pessoa muito popular e conta com um maior respaldo popular. O meu tampouco está mau e devemos pensar nisso (apresentar a candidatura). Se não, em outro lugar haverá outras pessoas", indicou há vários meses Medvedev.

Tudo o que sabemos sobre:
RússiaPutinMedvedeveleições

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.