Putin diz que 'minicrise' com o Reino Unido será superada

Declaração foi feita no mesmo dia em que a Rússia expulsou quatro diplomatas britânicos em Moscou

Oleg Shchedrov, REUTERS

19 Julho 2007 | 14h53

O presidente russo, Vladimir Putin, disse nesta quinta-feira, 19, acreditar que as relações com o Reino Unido vão progredir normalmente, apesar do que chamou de "minicrise" seguindo-se a uma troca de expulsões diplomáticas entre os dois países.  Veja Também Rússia expulsa quatro diplomatas britânicos  "Acredito que as relações entre Rússia e Reino Unido avançarão normalmente, porque ambos os países estão interessados nisso", afirmou Putin, nos primeiros comentários sobre a polêmica."É necessário medir as ações com bom senso, respeitar os interesses legítimos de parceiros e tudo então ficará bem. Acho que vamos superar essa minicrise", disse.A Rússia determinou, tabém nesta quinta-feira, a expulsão de quatro diplomatas britânicos, suspendeu a emissão de vistos para autoridades britânicas e paralisou a cooperação com o país na chamada guerra ao terrorismo.As medidas foram adotadas como forma de retaliação pelo fato de o governo britânico ter expulsado quatro enviados russos.O embate, que atirou a relação entre os dois ex-rivais da Guerra Fria na pior fase dos últimos anos, iniciou-se depois de a Rússia ter rechaçado o pedido de extradição feito pelo Reino Unido para que um russo suspeito de assassinato fosse julgado em Londres.Promotores do Reino Unido querem que a Rússia extradite Andrei Lugovoy, um ex-agente da KGB, para que seja julgado pelo envenenamento em Londres de outro ex-agente, Alexander Litvinenko.O governo da Rússia afirma que sua Constituição proíbe a extradição de cidadãos russos.Autoridades da Rússia observaram também que o Reino Unido rechaçou inúmeros pedidos de extradição feitos pelo país nos últimos anos.Lugovoy apareceu várias vezes em meios de comunicação russos afirmando ser inocente e acusando os serviços de inteligência britânicos de envolvimento na morte de Litvinenko.

Mais conteúdo sobre:
mundoRússiaVladimir Putin

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.