Putin diz que será um premiê poderoso e duradouro

O presidente da Rússia, Vladimir Putin,disse na quinta-feira que pretende se tornar umprimeiro-ministro poderoso e duradouro quando seu mandatoterminar, mas negou a intenção de ditar ordens a seu sucessor. Em sua última entrevista coletiva anual como presidente, jáque seu mandato termina em maio, Putin disse que confiaplenamente no seu candidato a presidente, o vice-premiê DmitryMedvedev, e que não teria problemas em trabalhar com ele. Medvev tem enorme espaço na mídia estatal e é favoritíssimona eleição presidencial de março. "Dmitry Anatolyevich [Medvedev] e eu trabalhamos juntos há15 anos, e eu nunca me dignaria a apoiar um candidato apresidente se ele precisasse de mimos ou de conselhos sobrecomo se comportar", disse Putin a centenas de jornalistas noKremlin, num evento que durou 4 horas e 40 minutos. Analistas questionam como Medvedev poderia ocupar o cargomais importante do país e trabalhar efetivamente tendo oinfluente Putin como seu subordinado. Pela Constituição, o premiê tem tarefas principalmente naárea econômica, enquanto os ministérios mais poderososrespondem diretamente ao presidente. Putin, de 55 anos, disse que ele e Medvedev vão "dividir asresponsabilidades, e posso lhes assegurar que não haveráproblemas". "O mais alto poder executivo no país é o governo daFederação Russa, chefiado pelo primeiro-ministro", acrescentou. Ele disse que sua passagem pelo cargo "não apode sertransitória". "Eu trabalharia enquanto for possível", disseele, dando a entender que pretende ser primeiro-ministroenquanto Medvedev estiver no cargo. Pela primeira vez ele citou também reportagens da imprensaocidental que o acusam de ter acumulado uma enorme fortuna nopoder. Qualificou essas suspeitas de "lixo". Falando de política externa, Putin reiterou os alertas deque Moscou vai voltar seus mísseis contra países da Otan queabriguem o futuro escudo antimísseis dos EUA, e que a Rússiavai se opor fortemente à independência da província de Kosovo,que pertence à aliada Sérvia.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.