Putin diz que tomará medidas firmes para garantir interesses no Ártico

A Rússia vai tomar medidas firmes para se proteger de qualquer tentativa de grupos ambientalistas, como o Greenpeace, de interferir no desenvolvimento do Ártico, disse o presidente Vladimir Putin nesta quinta-feira.

Reuters

19 de dezembro de 2013 | 08h09

Putin disse que os ativistas do Greenpeace presos por um protesto realizado em uma plataforma de petróleo no Ártico em setembro podem ter cumprido instruções para prejudicar os esforços da Rússia de explorar recursos energéticos no Ártico, sugerindo que governos podem estar por trás da ação.

O presidente, no entanto, não identificou quais países teriam interesse em impedir a Rússia de explorar o Ártico.

Entre os 30 ativistas do Greenpeace detidos pelo protesto no Ártico em setembro está a brasileira Ana Paula Maciel. O grupo foi solto da prisão após dois meses, e agora pode ser absolvido das acusações de vandalismo em decorrência de uma anistia aprovada na quarta-feira por parlamentares.

A prisão dos "30 do Ártico", como o Greenpeace chama o grupo de ativistas, motivou críticas do Ocidente e foi amplamente vista como um sinal de que Putin não irá tolerar qualquer tentativa de impedir a Rússia de explorar os recursos do Ártico.

(Reportagem de Alexei Anishchuk)

Tudo o que sabemos sobre:
RUSSIAPUTINARTICO*

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.