Putin substitui seus três ministros menos populares

Presidente toma medidas visando as eleições parlamentares, em dezembro, e presidenciais, em março

Efe,

24 de setembro de 2007 | 16h51

Às vésperas das eleições parlamentares e presidenciais russas, o presidente, Vladimir Putin, substituiu nesta segunda-feira, 24, seus três ministros menos populares - da Economia, da Saúde e do Desenvolvimento Regional. "Os novos ministros são especialistas de alto nível que conseguiram bons resultados em anteriores responsabilidades", disse Putin, em reunião com o gabinete em fim de mandato. Após manter consultas com o primeiro-ministro, Victor Zubkov, Putin nomeou Elvira Nabiullina como nova ministra da Economia; Tatiana Golikova, para titular de Saúde; e a Dmitri Kozak como ministro do Desenvolvimento Regional, informaram as agências russas. Assim, saem do governo, Herman Gref (Economia), Mikhail Zurabov (Saúde) e Aleksandr Yakovlev (Desenvolvimento Regional), os ministros mais criticados pela oposição e menos estimados pela opinião pública. O chefe do Kremlin, que sairá da Presidência em março do próximo ano, não esclareceu se aceitou o afastamento do ministro da Defesa, Anatoli Serdiukov, que apresentou sua renúncia devido ao parentesco com o novo primeiro-ministro. Conservam seus cargos os primeiros vice-primeiros-ministros Serguei Ivanov e Dmitri Medvedev, e também os vice-primeiros-ministros Serguei Narishkin e Aleksandr Zhukov. Além disso, promoveu também a vice-primeiro-ministro o titular de Finanças, Alexei Kudrin, que continuará exercendo essa função até o pleito legislativo de 2 de dezembro. Putin anunciou que a partir de 1º de outubro aumentarão as pensões básicas, em uma medida de aparência claramente eleitoreira, e pediu ao novo Executivo que coloque "mãos à obra". Os vice-primeiros-ministros e os titulares das pastas exerciam seus cargos de maneira interina desde que Putin decretou a destituição de todo o governo, incluindo o primeiro-ministro Mikhail Fradkov, em 14 de setembro.

Tudo o que sabemos sobre:
PutinRússia

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.