Quatro são culpados porplanejar seqüestro de soldado britânico

Homens assumem plano para matar militar islâmico que prestou serviços no Afeganistão

Efe,

29 de janeiro de 2008 | 14h16

Quatro homens se declararam culpados de crimes relacionados a um complô para seqüestrar e assassinar um soldado britânico e de fornecer material para terroristas, informou nesta terça-feira, 29, o tribunal de Leicester (centro da Inglaterra). Trata-se de Parviz Khan, de 37 anos, envolvido em um plano para seqüestrar e executar um membro das Forças Armadas do Reino Unido e de enviar material a terroristas que operam na fronteira entre Paquistão e Afeganistão, acrescentou a fonte. Além de Khan, Basiro Gassama, de 30 anos, também admitiu participação no complô, enquanto Mohammed Irfan, de 31, e Hamid Elasmar, de 44, reconheceram ter ajudado Khan a fornecer equipamento para terroristas. Khan planejou o seqüestro e o assassinato do militar entre os dias primeiro de novembro de 2006 e 31 de janeiro de 2007, informa a Justiça. Os quatro confessaram a culpabilidade no início deste mês, mas o citado tribunal autorizou que a informação fosse divulgada por causa do começo do julgamento contra outros dois homens acusados pelo menos plano. Os dois acusados são Amjad Mahmood, de 32 anos, e Zahoor Iqbal, de 30. Mahmood negou que estivesse sabendo do plano de Khan, enquanto Iqbal rejeitou estar em posse de documentos que poderiam ser usados por terroristas. Segundo fontes dos serviços secretos para a imprensa britânica, o complô consistia em seqüestrar, torturar e executar um soldado muçulmano britânico que prestou serviço no Afeganistão, imitando assim os seqüestros cometidos por extremistas no Iraque. Segundo as forças de segurança, as prisões foram realizadas há um ano como resultado de uma vigilância de seis meses dirigida pela brigada antiterrorista da Polícia do centro da Inglaterra, com o apoio da Scotland Yard e o serviço de contra-espionagem MI5.

Tudo o que sabemos sobre:
Reino Unido, Iraque

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.