Quem é Radovan Karadzic

Ex-líder servo-bósnio, ele era um dos homens mais procurados do mundo

BBC

21 de julho de 2008 | 19h29

Psicólogo, poeta e criminoso de guerra, o ex-líder servo-bósnio Radovan Karazic era um dos homens mais procurados do mundo.   Sua prisão chega depois de quase 13 anos de buscas. Durante este tempo, a Sérvia sofreu pressões da comunidade internacional para entregá-lo ao Tribunal Penal Internacional para a Antiga Iugoslávia (TPII).   Acusado pelo massacre de milhares de muçulmanos bósnios e croatas, ele foi indiciado duas vezes pelo tribunal de crimes de guerra das Nações Unidas, em Haia.   Segundo as acusações, ele ordenou o massacre de cerca de 8 mil muçulmanos homens em Srebrenica em julho de 1995, como parte de uma campanha de terror contra as populações muçulmanas e croatas na antiga Iugoslávia.   Ele também é acusado do cerco de Sarajevo, que resultou na morte de cerca de 10 mil pessoas e pelo uso de 284 soldados da ONU como escudo em 1995.   Depois do acordo de Dayton, que colocou fim à guerra na Bósnia, o ex-presidente se escondeu das autoridades possivelmente nas montanhas a sudeste na parte da Bósnia controlada pela Sérvia. Ele era protegido por paramilitares.   A pressão internacional pela prisão de Karadzic aumentou em 2005, quando vários de seus antigos generais se renderam e um vídeo que mostravam soldados sérvio executando prisioneiros de Srebrenica foi divulgado.   Karadzic nega as acusações contra ele e se recusa a reconhecer a legitimidade do tribunal da ONU.   Líder sérvio   Filho de um ex-guerrilheiro chetnik - nacionalistas sérvios que lutaram contra a ocupação nazista e contra a guerilha comunista de Tito - Karadzic nasceu em Montenegro em 1945.   Poeta, formado em medicina e especialista em psicologia, Karadzic foi um dos fundadores do Partido Democrata Sérvio em 1990. O partido era uma resposta ao nascimento de partidos nacionalistas na Bósnia e na Croácia e pregava a construção da 'Grande Sérvia'.   Dois anos depois, com a independência da Bósnia-Herzegovina, Karadzic declarou a criação da independente República Sérvia da Bósnia e Herzegovina ( depois batizada de Republica Srpska) com capital em Sarajevo e ele na presidência.   Depois de ser indiciado por crimes de guerra, ele foi obrigado a renunciar da liderança do Partido Democrata Sérvio e logo se tornou um foragido.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.