Rebeldes dizem que 22 soldados turcos morreram no Iraque

Informação do PKK contraria saldo de soldados mortos divulgado pela Turquia; operações devem se intensificar

Reuters,

23 de fevereiro de 2008 | 10h38

Vinte e dois soldados turcos morreram em confronto com rebeldes do Partido dos Trabalhadores do Curdistão (PKK) no norte do Iraque, informou um porta-voz do partido neste sábado, 23. Segundo fontes turcas, a operação deve se intensificar.   Veja também: Dezenas de rebeldes e 5 turcos morrem em incursão ao Iraque Turquia promove grande incursão militar terrestre no Iraque   "Depois dos conflitos de ontem, 22 soldados turcos morreram e somente 5 militantes do partido ficaram feridos", disse Ahmed Danees, porta-voz do PKK. "Forças turcas usaram helicópteros para retirar os feridos", afirmou.   A informação contraria a confirmação do Exército turco divulgada na sexta-feira, 22, de que 5 turcos e 24 de rebeldes teriam morridos nos confrontos da incursão turca ao Iraque.   Danees acrescentou que não houve conflitos neste sábado, 23, embora helicópteros e aviões turcos tenham atacado alvos suspeitos na fronteira iraquiana. Ainda não foram relatados mortos ou feridos nas operações deste sábado, 23.   Governo iraquiano pede respeito a soberania   O governo do Iraque pediu à Turquia que respeite sua soberania e evite qualquer ação militar que ameace a segurança. "Entendemos completamente o tamanho da ameaça enfrentada pela Turquia, mas as operações militares não resolverão a crise do PKK", disse o porta-voz do governo iraquiano Ali al-Dabbagh.   Os EUA compartilharam informações de inteligência com a Turquia, sua aliada na Organização do Tratado do Atlântico Norte (Otan), sobre os movimentos do PKK no Iraque.   O governo americano pediu ainda que o país que limite a operação a alvos rebeldes específicos, e que a incursão seja breve.    Operação contra refugiados curdos   Na sexta-feira, 22, forças terrestres da Turquia atravessaram a fronteira com o norte do Iraque, em uma operação contra rebeldes curdos que estariam refugiados na região, segundo o Exército da Turquia.   Foi a primeira incursão militar por terra da Turquia no Iraque desde a invasão americana de 2003, e cria temores de que poderá deflagrar um conflito mais amplo com os curdos iraquianos apoiados pelos EUA, apesar das garantias turcas de que alvejará apenas alvos do PKK.   Desde que o parlamento do país autorizou a operação, em outubro de 2007, a Turquia levou pelo menos uma ofensiva militar terrestre ao país, além de freqüentes ataques aéreos e de artilharia contra alvos suspeitos do PKK.   Mais de 30 mil pessoas morreram desde que o partido começou a lutar, em 1984, por um território curdo no sudoeste da Turquia.  

Mais conteúdo sobre:
TurquiaIraquePKK

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.