Recusa da Espanha em dialogar vai adiar solução de conflito, diz ETA

O grupo separatista basco ETA afirmou nesta terça-feira que a recusa do governo espanhol em dialogar até que a organização se dissolva atrasará o processo iniciado para pôr fim a quatro décadas de luta armada pela independência.

Reuters

26 de março de 2013 | 17h44

Em comunicado publicado pelo jornal basco Naiz, o ETA declarou que a atitude do governo representava um passo para trás "que atrasará e tornará mais difícil a resolução do conflito".

Em novembro, o governo da Espanha rejeitou uma oferta de diálogo e exigiu que o grupo se dissolvesse sem condições após o ETA pedir negociações sobre a situação de prisioneiros e a entrega de armas.

O ETA anunciou em outubro de 2011 o fim definitivo de sua luta armada, mas não suspendeu as operações totalmente nem depôs suas armas. O grupo já rompeu cessar-fogos no passado.

O ETA perdeu força significativamente nos últimos anos, já que muitos de seus líderes foram presos e esconderijos de armas, descobertos.

Centenas de membros do ETA estão presos por toda a Espanha. O grupo quer negociar a remoção deles para a região basca em troca de desmantelar a sua estrutura militar e depôr as armas.

Mais de 800 pessoas foram mortas desde que o ETA iniciou operações armadas na década de 1960.

(Reportagem de Julien Toyer)

Tudo o que sabemos sobre:
ESPANHAETACONSEQUENCIAS*

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.