Refugiados sírios enfrentam polícia em acampamento na Turquia

Refugiados sírios apedrejaram policiais turcos que os reprimiam com gás lacrimogêneo e jatos de água em mais um distúrbio nos campos que recebem fugitivos da guerra civil da Síria.

Reuters

27 de março de 2013 | 18h30

A TV Reuters registrou o incidente no campo de refugiados de Suleiman Shah, perto da cidade turca de Akcakale, na fronteira com a Síria, onde dezenas de manifestantes atiraram pedras e quebraram as janelas de um carro de bombeiros.

Moradores do campo disseram que jovens iniciaram o protesto depois que uma instalação elétrica precária causou um incêndio em uma barraca, ferindo três irmãos de 7, 18 e 19 anos.

Uma autoridade turca disse que houve "comoção" depois do incêndio, mas que a situação já estava controlada. Ele não deu mais detalhes.

Outra fonte oficial turca disse que o incêndio não foi a causa do incidente, que teria sido iniciado por moradores indignados com o fato de guardas terem barrado 200 sírios que tentavam entrar no local, que já está superlotado. Com 35 mil pessoas, esse é um dos maiores campos de refugiados da Turquia.

Manifestantes disseram que houve muitos feridos no confronto, algo que autoridades turcas negaram.

"Os moradores estão irritados", disse por telefone a refugiada Sahar, sem revelar o sobrenome. "A mãe de quatro filhos morando naquela barraca se queixava havia muito tempo sobre os problemas elétricos, e nada foi feito, e aí tivemos esse acidente terrível."

Sahar disse que as condições no local são precárias, às vezes com várias famílias na mesma barraca, e que a relação entre os trabalhadores turcos e os refugiados está cada vez mais tensa.

Mais de 1 milhão de pessoas já fugiram da Síria por causa da guerra civil iniciada há dois anos no seu país. Acredita-se que haja outros 4 milhões de refugiados internos dentro da própria Síria.

(Reportagem adicional de Erika Solomon, em Beirute)

Tudo o que sabemos sobre:
TURQUIAREFUGIADOS*

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.