Região russa atribui bomba a rebeldes do Cáucaso

Rebeldes islâmicos do Cáucaso do Norte foram os responsáveis por um ataque mortífero com bomba no aeroporto mais movimentado da Rússia, disse na quinta-feira o líder da província de Inguchétia, de maioria muçulmana.

REUTERS

27 de janeiro de 2011 | 18h42

O líder inguche Yunus-Bek Yevkurov, que preside sobre uma região pobre vizinha da Chechênia, é a mais alta autoridade russa a ter publicamente atribuído o ataque suicida da segunda-feira contra o aeroporto de Domededovo, em Moscou, a insurgentes do Cáucaso do Norte.

"Esses líderes do movimento clandestino do norte do Cáucaso, como Doku Umarov, são os responsáveis", disse Yevkurov a repórteres na capital da Inguchétia, Magas, aludindo a um chefe rebelde checheno que se descreve como emir do "Emirado do Cáucaso".

Os líderes russos lutam para conter uma insurgência islâmica crescente no Cáucaso, uma fileira de províncias pobres, de maioria muçulmana, ao longo da fronteira sul da Rússia, país de maioria cristã ortodoxa.

Pelo menos 35 pessoas foram mortas e mais de 100 ficaram feridas no ataque suicida da segunda-feira. Nenhum grupo reivindicou a autoria do ataque.

(Reportagem de Ame Ferris-Rotman)

Tudo o que sabemos sobre:
RUSSIACAUCASOBOMBA*

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.