Reino Unido aciona Marinha para buscar britânicos sem opção de transporte

Até três navios podem ser utilizados; fechamento do tráfego aéreo já afeta 6,8 milhões de passageiros

estadão.com.br

19 de abril de 2010 | 10h10

 

LONDRES - O Reino Unido está deslocando navios da Marinha Real para buscar britânicos que estejam presos fora do país por conta da paralisação do tráfego aéreo europeu, disse o primeiro-ministro Gordon Brown nesta segunda-feira, 19, de acordo com informações do canal CNN.

 

Veja também:

linkEuropa deve operar 30% dos fluxo normal de voos

linkEspecialista vê queda na atividade vulcânica

linkIata culpa autoridades por crise

linkAutoridades se reúnem para discutir soluções

mais imagens Veja imagens do vulcão Eyjafjallajoekull

 

Os navios HMS Ark Royal e HMS Ocean serão enviados para locais onde é mais necessário o apoio para retornar os britânicos para o país. Essas localidades ainda estão sendo definidas pelas autoridades. Brown ainda disse que uma terceira embarcação, o HMS Albion, que buscaria soldados na Espanha, pode oferecer assistência.

 

"Acredito que essa seja uma das interrupções mais sérias que já tivemos em nossos sistemas de transportes. Tem consequências financeiras e humanas e faremos tudo ao nosso alcance para ter certeza de que tudo estará no lugar para podermos ajudar as pessoas a voltar para casa", disse o premiê.

 

Brown disse ter conversado com o primeiro-ministro espanhol, José Luiz Rodriguez Zapatero, sobre o uso dos aeroportos na Espanha, que sofreram menos com os cancelamentos de voos, como um dos canais para trazer os britânicos de volta. O premiê, porém, só dará mais detalhes do encontro mais tarde.

 

O Reino Unido foi um dos países mais atingidos pelo caos no tráfego aéreo europeu causa do pela nuvem de cinzas expelidas por um vulcão no sul da Islândia. O espaço aéreo britânico não deve ser reaberto até a meia-noite local (20 horas em Brasília) da terça-feira.

 

Até esta segunda, cerca de 63 mil voos haviam sido cancelados desde quinta-feira, e a estimativa era que de que 6,8 milhões de passageiros já haviam sido afetados desde então. A previsão é de que apenas 30% do fluxo normal de voos sejam operados nesta segunda.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.