Reino Unido aprova ratificação do Tratado de Lisboa

UE busca a aprovação do acordo por seus 27 membros; futuro do projeto será decidido em referendo na Irlanda

Efe,

11 de junho de 2008 | 18h48

A Câmara dos Lordes britânica aprovou nesta quarta-feira, 11, a ratificação do Tratado de Lisboa, ao rejeitar uma emenda do Partido Conservador que pedia a realização de um plebiscito. Um total de 280 trabalhistas e liberal-democratas votaram contra a proposta, que foi apoiada por 218 conservadores.   Veja também: Confira os principais pontos do Tratado de Lisboa   Ao apresentar a emenda, os conservadores alegaram que o governo trabalhista estava descumprindo uma promessa do manifesto eleitoral de seu partido para as eleições de 2005, na qual se comprometia a submeter à consulta popular a Constituição da União Européia (UE).   No entanto, o Executivo afirma que o Tratado de Lisboa não é a Constituição, apesar de a substituir. Esta votação se produz na véspera que a República da Irlanda celebre seu próprio referendo sobre o Tratado, cujo imprevisível resultado mantém em suspenso a UE.   O objetivo da UE é que o Tratado seja ratificado por seus 27 membros durante este ano, de modo que entre em vigor em 1º de janeiro de 2009.   Grécia   Ainda nesta quarta, o Parlamento grego também ratificou o Tratado, horas antes de um referendo crucial na Irlanda que decidirá o futuro da medida, informou a agência France Presse.   O novo tratado substituirá a fracassada Constituição do bloco e pretende modernizar as instituições comuns e fortalecer a presença do bloco no mundo. O acordo prevê a figura de um presidente estável da União, eleito por um período de dois anos e meio, renovável uma vez.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.