Reino Unido condena 'Osama bin Londres' por terrorismo

Mohammed Hamid é acusado de inspirar responsáveis por tentativa de atentado em Londres em 2005

LUKE BAKER, REUTERS

26 de fevereiro de 2008 | 12h50

Um muçulmano nascido na Tanzânia que se autodenominou "Osama bin Londres" foi julgado e considerado culpado nesta terça-feira, 26, por estimular seus seguidores a matar infiéis e por administrar campos de treinamento terroristas no Reino Unido. Mohammed Hamid, 50, que chegou à Inglaterra aos cinco anos de idade, foi condenado com três de seus seguidores - Kibley da Costa, 25, Mohammed al-Figari, 45, e Kader Ahmed, 20 - que foram condenados pelo júri por frequentar campos de treinamento. Um quinto suspeito, Atilla Ahmet, 43, já considerado a principal figura da Al-Qaeda na Europa, admitiu três acusações de incitamento ao assassinato no início do complexo julgamento de três meses na corte de Woolwich Crown. O julgamento é acompanhado de perto no Reino Unido, já que Hamid foi acusado de inspirar os homens que conduziram a tentativa frustrada de ataque ao sistema de transportes londrino em 21 de julho de 2005, duas semanas depois de 52 civis serem mortos por quatro suicidas em um ataque similar. Em uma audiência separada e relacionada ao julgamento, outros dois membros do grupo admitiram frequentar um campo de treinamentos terrorista. A declaração das penas acontecerá em outra data. Hamid e Ahmet foram presos em Londres em setembro de 2006 após uma operação de inteligência que durou meses.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.