AP Photo/Matt Dunham
AP Photo/Matt Dunham

Reino Unido: enquanto conservador e trabalhista brigam, partido que apoia fim do Brexit ganha força

Liberais Democratas ganha reforço de políticos britânicos protagonistas na luta contra o Brexit

Célia Froufe, correspondente, O Estado de S.Paulo

08 de setembro de 2019 | 08h11

LONDRES - Começa a aparecer um vitorioso em meio à briga de poderes em torno do Brexit, como é chamada a saída do Reino Unido da União Europeia: o partido Liberais Democratas. Angela Smith, que era do Partido Trabalhista - principal força da oposição - e que em fevereiro desertou para criar com seis parlamentares o Change UK (Muda Reino Unido), agora chamado de Independent Group (Grupo Independente), anunciou que se juntará ao partido que vem pedindo o fim do processo de divórcio.

Na última semana, Luciana Berger (Independent Group) e Philip Lee (Conservador) também migraram para o partido, que reúne agora 17 deputados. A mudança de Lee foi uma das mais comentadas no Reino Unido nos últimos dias. Tradicional político conservador, ele aguardou o início da fala do primeiro-ministro, Boris Johnson, em sessão no Legislativo, durante a semana, e levantou-se para se sentar com a ala da oposição.

O ato simbólico foi seguido por uma explicação formal de mudança de partido e, na prática, significou o fim da maioria do governo no Parlamento, que era assegurado por apenas um assento de diferença, já contando os 10 deputados do DUP da Irlanda do Norte, que assegurava a maioria até então por uma coalizão.

 

 

Na avaliação de Angela Smith, o LibDem é hoje "o partido mais forte para impedir o Brexit". "Estamos enfrentando uma crise nacional e as pessoas merecem escolha melhor do que dois antigos partidos", argumentou. O líder dos Liberais Democratas, Jo Swinson, comemorou o ingresso da deputada, enfatizando seu compromisso de "interromper o Brexit e construir uma sociedade mais justa e liberal".

Ela já prometeu lutar contra o divórcio e fazer campanha pela "reforma constitucional necessária para consertar nossa política falida". "Precisamos de uma política mais inclusiva e tolerante para o nosso país, que valorize a diversidade", defendeu.

Não é, portanto, apenas o Partido Conservador do governo que vem perdendo espaço - além das saídas espontâneas, o comando do grupo também expulsou 21 parlamentares que votaram contra a orientação do Partido durante a semana.

Já os trabalhistas não conseguem engrenar mesmo em um governo enfraquecido e críticos a seu líder, Jeremy Corbyn, vêm aproveitando para culpá-lo pela atual crise por causa de declarações dadas há alguns meses que foram consideradas antissemitistas.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.