Reino Unido inicia nova investigação do caso Diana

Júri começa a avaliar denúncia de Mohamed Al-Fayed sobre conspiração para matar o casal em 1997

BBC Brasil, BBC

02 de outubro de 2007 | 07h58

A Alta Corte de Londres inicia nesta terça-feira, 2, uma nova investigação sobre a morte da princesa Diana e seu namorado, Dodi Al-Fayed, em uma batida de carro em 1997. A investigação vai analisar a hipótese, defendida pelos advogados do pai de Dodi Al-Fayed, Mohamed Al-Fayed, de que houve conspiração para matar o casal.  Veja também: Os 10 anos da morte de Lady Di Em um procedimento pouco comum no sistema britânico, as audiências serão feitas não apenas por um juiz, mas por um júri - uma vitória da família Fayed, que ainda deseja que o grupo ouça os depoimentos da família real.Mohamed Al-Fayed questiona as conclusões de um inquérito anterior, do comissário da Scotland Yard na época do acidente, John Stevens, que em dezembro de 2006 descartou a hipótese de conspiração.Diana, 36, Dodi Al-Fayed, 42, e o motorista Henri Paul morreram quando a Mercedes Benz em que eles se encontravam se chocou contra uma das pilastras do túnel sob a Ponte L’Alma, em Paris, em 31 agosto de 1997.Falando ao canal de TV ITV antes da abertura do processo, um porta-voz de Mohamed Al-Fayed disse que esta é "a última grande chance de chegar à verdade".Michael Cole, porta-voz do pai, pediu aos membros da família real que forneçam evidências para o processo. "Em determinados momentos de sua vida, a única pessoa com quem a princesa Diana poderia falar em confiança na família real era a rainha", disse Cole. "Ela tem um conhecimento sem igual do que passava na cabeça da princesa." Júri Onze de 25 potenciais candidatos serão escolhidos para formar o júri. As audiências podem durar até seis meses. Os 11 escolhidos viajarão a Paris para refazer os últimos momentos da vida da princesa. Na quinta-feira, durante um processo de seleção dos jurados - que reduziu o número de candidatos de 80 para os atuais 25 - o juiz que conduzirá esta nova investigação, Scott Baker, disse que a morte de Diana e Dodi "gerou interesse mundial em escala sem precedentes"."Milhões de palavras foram ditas e escritas. Há diversos livros, programas de televisão, artigos que foram publicados, alguns por pessoas envolvidas de forma próxima com os eventos, outros não", ele afirmou.Baker - um dos juízes mais experientes do Reino Unido - pediu que o futuro júri tome sua decisão baseando-se apenas nas evidências apresentadas na Corte. "Se houver alguma reportagem nos jornais, não as leiam, e se houver algum programa de televisão sobre a morte de Diana, ou qualquer notícia sobre esta investigação, não os vejam."

Tudo o que sabemos sobre:
Caso Dianainvestigação

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.