Reino Unido pode usar Exército em distúrbios futuros, diz premiê

Cameron também afirmou que vai compensar as pessoas cujas casas ou empresas foram depredadas

REUTERS e Agência Estado

11 de agosto de 2011 | 08h02

Primeiro-ministro convocou uma reunião extraordinária no Parlamento britânico para discutir os tumultos

 

LONDRES - A Reino Unido vai considerar convocar o Exército em distúrbios futuros para liberar policiais para lidar com baderneiros, afirmou o primeiro-ministro, David Cameron, nesta quinta-feira, 11.

 

Veja também:

TV ESTADÃO: Andrei Netto: "Clima em Londres é de relativa segurança"

som ÁUDIO: 57% dos britânicos reprovam a atitude de David Cameron durante os conflitos

som ÁUDIO: Após quatro dias, Londres vive dia de relativa calma

blog RADAR GLOBAL: Conte-nos sua história

mais imagens GALERIA: Veja imagens da violência

O governo também dará à polícia poderes para exigir que as pessoas retirem proteções do rosto e vai compensar as pessoas cujas casas ou empresas foram depredadas na onda de violência em Londres e outras cidades britânicas esta semana, disse ele.

"É responsabilidade do governo assegurar que qualquer contingência futura seja avaliada, incluindo se há tarefas que o Exército pode assumir que possam liberar mais policiais para a linha de frente", disse Cameron ao parlamento.

 

Os legisladores participam de uma sessão emergencial do Parlamento nesta quinta-feira, após quatro noites de tumultos em Londres e em outras cidades inglesas.

 

Cameron classificou de "injustificável" a onda de violência vivida no país e afirmou que as autoridades estão atuando "de forma decisiva" para restabelecer a ordem nas ruas, o resultado foi uma noite de quarta-feira mais calma na capital britânica. "Não vamos permitir que a cultura do medo exista em nossas ruas", disse.

 

O premiê prometeu duras medidas para encerrar a violência e afirmou que "nenhuma medida está fora de cogitação". Ele afirmou que o governo, a polícia e os serviços de inteligência analisam se deve haver limites para redes sociais como Twitter e Facebook, que têm sido usadas para espalhar a desordem.

 

Cameron também disse que seu governo está pedindo ajuda aos Estados Unidos na luta contra as gangues que, segundo ele, estão ajudando a dar início aos distúrbios em território britânico.

O primeiro-ministro declarou que vai analisar a situação enfrentada por cidades como Boston no combate a esses grupos desordeiros e mencionou o ex-chefe de polícia de Los Angeles e Nova Yor, Bill Bratton, como alguém que pode ajudar.

Tudo o que sabemos sobre:
GRABRETANHACAMERONDISCURSO*

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.