Reino Unido prevê redução em frota de submarinos nucleares

Segundo imprensa britânica, premiê Gordon Brown fará o anúncio na Assembleia Geral da ONU em Nova York

Efe,

23 de setembro de 2009 | 10h24

O primeiro-ministro do Reino Unido, Gordon Brown, apresentará na Assembleia Geral da ONU desta quarta-feira, 23, em Nova York, a proposta de seu governo em reduzir de quatro para três a frota de submarinos nucleares da classe Trident, que substituiriam os Vanguard atuais. A oferta, já divulgada pela imprensa britânica, será feita ao Conselho de Segurança durante a conferência sobre Armar nucleares.

 

Alguns especialistas relacionam a proposta do Reino Unido à necessidade de Londres de reduzir seu enorme déficit orçamentário, no que a eliminação de um dos submarinos da frota ajudaria.

 

Fontes do gabinete de Brown, entretanto, insistem que a oferta não tem motivações econômicas, mas sim vão ao encontro dos esforços do presidente dos EUA, Barack Obama, de reduzir drasticamente esses arsenais e obrigar países como o Irã a renunciarem a eventuais programas nucleares com fins militares.

 

Convocação

 

Na reunião da ONU, Brown fará, segundo foi divulgado, uma convocação a todas as nações para que contribuam conjuntamente com o objetivo de libertar o mundo das armas nucleares.

 

O líder da oposição liberal-democrata britânica, Nick Clegg, comemorou a decisão de Brown e disse que parece ser irreal a possibilidade de que o país possa financiar a substituição de seus submarinos atuais por outros tantos novos.

 

Enquanto isso, os EUA e a Rússia concordaram em realizar cortes significativos em seus investimentos nucleares, o que aumentou a pressão sobre o governo britânico para que consequentemente reduza sua força de difusão nuclear em vez de modernizá-la simplesmente com a substituição dos submarinos.

 

Londres anunciou a redução de 200 para 160 o número total de ogivas nucleares, ma alguns deputados da esquerda trabalhista querem que o governo vá mais longe e renuncia de uma vez a todo o arsenal atômico.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.