Rejeição a austeridade em Portugal dificulta alcance de metas, diz governo

Governo de Portugal disse neste sábado que a rejeição do Tribunal Constitucional sobre as medidas de austeridade para o orçamento deste ano cria "sérias dificuldades" para o atingir os compromissos internacionais no resgate financeiro.

Reuters

06 de abril de 2013 | 17h13

Seguindo uma reunião de gabinete extraordinária após a decisão do tribunal na sexta-feira, o Secretário de Estado da Presidência do Conselho de Ministros, Luis Marques Guedes, disse a jornalistas que a decisão "põe em risco a credibilidade do país" adquirida com seus parceiros europeus e credores.

Marques Guedes disse que o primeiro-ministro Pedro Passos Coelho vai se reunir com o presidente Aníbal Cavaco Silva para discutir a "situação complexa", após a decisão do tribunal, que o governo disse que iria aceitar.

O Tribunal Constitucional rejeitou na sexta-feira quatro das nove medidas de austeridade para o orçamento deste ano, em uma decisão que é um golpe pesado para as finanças do governo.

Ainda assim, os analistas dizem que a rejeição não deve provocar uma crise de governabilidade e esperam que medidas de substituição sejam encontrados com a União Europeia e o Fundo Monetário Internacional (FMI).

(Por Andrei Khalip e Shrikesh Laxmidas)

Tudo o que sabemos sobre:
PORTUGALAUSTERIDADE*

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.