Relação com América Latina é prioridade para Rússia, diz Putin

Em encontro com Chávez, primeiro-ministro russo se diz pronto para cooperação nuclear com Venezuela

Agências internacionais,

25 de setembro de 2008 | 15h51

O primeiro-ministro russo Vladimir Putin declarou nesta quinta-feira, 25, que as relações de seu país com a America Latina serão a maior prioridade de Moscou. Ele também disse ao presidente venezuelano, Hugo Chávez, que está em visita a Rússia, que está disposto a compartilhar com Caracas o uso pacífico de energia nuclear. "Estamos todos prontos para considerar a possibilidade de operar na esfera da energia atômica pacífica", declarou Putin durante o encontro com Chávez na residência do premiê em Novo-Ogariovo, nos arredores de Moscou, informaram as agências russas.   Veja também: Rússia emprestará US$ 1 bi para Venezuela comprar armas Especial: Depois da Guerra Fria    O premiê também anuncio que a Gazprom - companhia de gás russa - está pronta para começar a explorar hidrocarbonetos na costa venezuelana no final de outubro. "Estou muito contente de informar que está planejado o lançamento da primeira torre de perfuração da Gazprom para o fim de outubro", declarou.   Chávez, por sua vez, disse considerar que a manutenção de relações mais próximas entre Caracas e Moscou ajudará a fortalecer um mundo multipolar. A oferta de apoio ao presidente venezuelano, um forte crítico ao governo americano, aparece dias depois da Rússia bloquear um encontro entre chanceleres de grandes potências nas Nações Unidas em Nova York para discutir sanções contra o Irã por seu programa nuclear.   "Eu não posso deixar de agradecer você pela cordialidade na recepção da equipe de nossos aviões bombardeiros estratégicos que passaram vários dias na Venezuela", disse Putin a Chávez. Ainda nesta quinta, Moscou anunciou um empréstimo de US$ 1 bilhão à Venezuela para que o país latino compre armas russas.   A Venezuela já comprou caças de combate, tanques e rifles da Rússia. O país também quer adquirir sistemas de defesa aérea, outros modelos de tanques e mais equipamento de combate, informou o jornal Kommersant.   Em uma segunda manobra militar, navios de guerra da Rússia dirigem-se ao Caribe para se juntarem em exercícios militares com a Venezuela. Moscou deixou claro que os recentes exercícios são uma resposta aos EUA, que no mês passado enviaram navios de guerra à Geórgia com ajuda humanitária, o que foi altamente criticado pelo Kremlin.   O cruzador nuclear "Pedro, o Grande" encabeça a frota russa que segue para Venezuela. O envio é a maior mostra do poderia militar russo na região do continente americano desde o fim da Guerra Fria. A Rússia intensificou recentemente seus contatos com Venezuela, Cuba e outros países latino-americanos, ao mesmo tempo em que aumentam as tensões entre Moscou e Washington.  

Tudo o que sabemos sobre:
RússiaVenezuela

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.