Andy Rain/Efe
Andy Rain/Efe

Renúncia de Brown pode ser importante passo para aliança, diz Clegg

Liberal democrata confirma que partido iniciará conversas formais de coalizão com trabalhistas

estadão.com.br

10 Maio 2010 | 14h13

LONDRES - O líder do Partido Liberal Democrata do Reino Unido, Nick Clegg, disse nesta segunda-feira, 10, que a disposição do atual primeiro-ministro do país, Gordon Brown, em renunciar é um "importante elemento" para a formação de um novo governo.

 

Veja também:

linkConsevadores oferecem referendo a liberais democratas

linkBrown anuncia renúncia para facilitar aliança

especialEspecial: Por dentro das eleições britânicas

 

Clegg confirmou que seu conversará com os trabalhistas, partido de Brown, sobre a formação de um governo de coalizão, conforme o premiê havia adiantado. O liberal democrata, porém, indicou que não deixará de lado o diálogo com os conservadores e seu líder, David Cameron.

 

Em declarações feitas após Brown anunciar que renunciaria em setembro para facilitar a formação de uma aliança de seu partido com os liberais democratas, Clegg disse que a decisão do premiê "pode ser um importante elemento para uma transição tranquila para um governo estável". A renúncia de Brown foi uma das condições impostas por Clegg para a formação de uma aliança com os trabalhistas.

 

Após o anúncio dos resultados das eleições, Clegg havia dito que negociaria uma coalizão antes com os conservadores, já que o partido havia se tornado o maior no Parlamento, rompendo assim a convenção constitucional que dá preferência ao primeiro-ministro vigente. Brown afirmou compreender a postura de Clegg e disse que cuidaria para que as negociações corressem dentro da legislação britânica.

 

Os liberais democratas e os conservadores iniciaram as negociações um dia após as eleições, e apesar de ambos os lados dizerem que houve avanços, nenhuma aliança foi firmada, o que abriu espaço para conversas com os trabalhistas, conforme Clegg disse que ocorreria anteriormente caso não houvesse acordo com o partido de Cameron.

 

Não há um prazo estabelecido para a escolha do novo primeiro-ministro, mas espera-se que o ocupante do cargo seja definido antes do dia 25, quando a Rainha Elizabeth II confirma o líder britânico em seu discurso. Caso nenhuma aliança seja firmada, Cameron pode tentar governar sem maioria ou novas eleições podem ser convocadas.

 

Com informações da agência Reuters

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.