República Checa e EUA anunciam acordo para escudo antimíssil

Durante cúpula, países da Otan endossam sistema de defesa que Washington pretende instalar no Leste Europeu

Agências internacionais,

03 de abril de 2008 | 08h07

Os Estados Unidos e a República Checa chegaram a um acordo para instalar em território checo uma parte do escudo antimísseis americano, segundo anunciaram os dois países em um comunicado nesta quinta-feira, 3. Os 26 membros da Organização do Tratado do Atlântico Norte (Otan) decidiram dar seu pleno apoio ao sistema de defesa que Washington planeja posicionar no Leste Europeu, informou um alto funcionário americano, que pediu para não ser identificado.   Veja também: Sarkozy respalda política militar de Bush para o Afeganistão   O apoio da Otan ao sistema defensivo representa uma boa notícia para o presidente dos Estados Unidos, George W. Bush, que na noite de quarta-feira observou que os países da Aliança não chegavam a um acordo sobre uma de seus principais propostas, a oferta de um plano de ação que abrisse as portas à Ucrânia e à Geórgia a uma futura entrada na organização. Os Estados Unidos planejam posicionar 10 plataformas de lançamento de mísseis interceptores na Polônia e um sistema de radares na República Tcheca.   Um comunicado conjunto divulgado às margens da reunião da Otan na capital romena diz que a República Checa e os Estados Unidos assinarão um acordo de defesa em maio.  De acordo com a fonte americana, os países da Aliança ainda adotarão nesta quinta uma nota na qual reconhecerão a proteção que o escudo dará à Europa frente a possíveis ataques do Oriente Médio, e pedem à Rússia, que considera o sistema uma ameaça, que retire suas objeções. No documento, os países da Otan afirmam que seus especialistas militares analisarão vias para vincular o escudo americano aos sistemas defensivos antimísseis atuais e futuros da Aliança. Estes especialistas apresentarão um relatório dentro de um ano, em sua próxima cúpula.   O presidente dos Estados Unidos, George W. Bush, deve se reunir no domingo em Sochi com seu colega russo, Vladimir Putin, para explicar que o escudo antimísseis não tem como objetivo a Rússia, mas impedir possíveis ataques de países inimigos no Oriente Médio. Tanto Rússia quanto os EUA se mostraram otimistas sobre a possibilidade de conseguir avanços em Sochi.   O Kremlin afirma que a proposta americana de instalar dez mísseis interceptores na Polônia e um radar na República Tcheca ameaçam a segurança da Rússia. O governo americano afirma que as instalações são necessárias para a defesa de um possível ataque iraniano. Os Estados Unidos querem construir um sistema que vai permitir a interceptação de mísseis balísticos. Este sistema envolve radares estacionários no Alasca e na Califórnia, nos Estados Unidos e no Reino Unido. Outro radar está planejado para a Groenlândia.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.