Retidos pela neve, motoristas franceses acampam nos carros

Milhares de parisienses precisaram passar a noite em albergues ou nos seus carros por causa de uma nevasca, e os transportes continuam caóticos por causa disso nesta quinta-feira.

REUTERS

09 de dezembro de 2010 | 11h19

Foi a maior nevasca na capital francesa em quase 25 anos, cobrindo as ruas com gelo e lama e provocando congestionamentos que impediram muita gente de chegar às suas casas na noite de quarta-feira. A prefeitura recomendou aos cidadãos que evitem usar seus carros, "exceto em casos de absoluta necessidade profissional". O metrô ficou lotado nesta quinta-feira.

"Coincés" ("retidos") foi a manchete do popular jornal Le Parisien. O Le Fígaro chamou a atenção na sua capa para "A grande paralisia na Île-de-France (a região metropolitana de Paris)". As TVs mostraram pessoas dormindo em colchões em ginásios escolares, recebendo alimentos de equipes de emergência.

O Ministério do Interior disse que 3.300 pessoas passaram a noite em 78 abrigos da capital e arredores. O cancelamento de voos também obrigou muita gente a dormir nos aeroportos. Nesta quinta-feira, várias rodovias continuavam interditadas, apesar dos esforços de equipes que jogavam sal nas pistas, para derreter o gelo.

Em alguns lugares, a camada de neve chegou a 11 centímetros, maior volume desde 1987. As visitas à Torre Eiffel chegaram a ser suspensas.

(Reportagem de Patrick Vignal)

Tudo o que sabemos sobre:
FRANCANEVE*

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.