Retrato falado de possível seqüestrador de Maddie é publicado

Desenho do suspeito foi descrito pelo porta-voz dos McCann como um 'sensacional avanço' na investigação

Efe,

20 de janeiro de 2008 | 10h44

O tablóide britânico News of the World publicou neste domingo, 20, em sua capa, o retrato falado do possível seqüestrador de Madeleine McCann, a menina inglesa de 4 anos que desapareceu no sul de Portugal em 3 de maio do ano passado.   O desenho, feito por uma especialista formada no FBI (polícia federal americana), mostra um homem de aparência ameaçadora, rosto fino, cabelos longos, bigode, sobrancelhas grossas e dentição proeminente.   O retrato foi baseado no testemunho da turista inglesa Gail Cooper, que, segundo a publicação, foi ignorada pela Polícia portuguesa.   Cooper, de 50 anos, estava hospedada numa casa a cerca de 600 metros do apartamento em que se encontrava a família McCann e várias vezes viu um homem de aparência suspeita.   A descrição da turista parece coincidir com a feita por Jane Tanner, uma amiga do casal de médicos que disse ter visto um homem carregando uma menina de pijama rosa na noite em que Madeleine desapareceu.   Cooper disse ter se deparado com o suspeito, descrito como um homem com entre 38 e 45 anos e de origem norte-africana, no máximo três vezes.   No dia 20 de abril do ano passado, enquanto estava num restaurante, Cooper viu o homem vagueando pela praia debaixo de uma forte chuva. No mesmo dia, o homem bateu na porta da veranista pedindo dinheiro para um orfanato que, depois descobriu, não existia.   Passados dois dias, o suspeito estava na praia observando um grupo de crianças que brincava.   O News of the World investigou a história de Cooper e passou os detalhes à agência de detetives dos McCann, que logo depois encomendou o retrato falado à desenhista Melissa Little.   O desenho do suspeito, descrito por um porta-voz dos McCann como um "sensacional avanço" na investigação, foi entregue à Interpol e às Polícias britânica e espanhola.

Tudo o que sabemos sobre:
Maddie

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.