Rice eleva o tom e adverte Rússia por 'jogo perigoso' com EUA

Otan não permitirá que Moscou vença na Geórgia e desestabilize a Europa, diz secretária de Estado americana

Associated Press,

18 de agosto de 2008 | 17h21

A secretária de Estado americana Condoleezza Rice declarou nesta segunda-feira, 18, que a Rússia está jogando "um jogo muito perigoso" com os Estados Unidos e seus aliados. Ela alertou que a Organização do Tratado do Atlântico Norte (Otan) não permitirá que Moscou vença na Geórgia e desestabilize a Europa.   Veja também: Rússia diz que iniciou retirada de tropas da Geórgia 'Um miliciano mirou o fuzil no meu peito e pulei na estrada', diz correspondente do Estado  EUA devem reavaliar relação com Rússia' Ouça o relato de Lourival Sant'Anna  Imagens feitas direto de Gori, na Geórgia  Godoy e Cristiano Dias comentam conflito  Entenda o conflito separatista na Geórgia   Prestes a se reunir com os ministros do Exterior da Otan para discutir a crise no Cáucaso, Rice afirmou ainda que a aliança pode punir a Rússia pela invasão do território georgiano. "Nós temos que rejeitar os objetivos estratégicos do governo russo, que claramente minam a democracia georgiana ao usar forças militares para atingir a infra-estrutura e enfraquecer o Estado", disse.   Rice destacou que qualquer tentativa de recriar a Guerra Fria ao desenhar uma "nova linha" na Europa e intimidar antigas repúblicas soviéticas irá falhar. "Não permitiremos que a Rússia desenhe uma nova linha nesses Estados que ainda não estão integrados na Otan", acrescentou, referindo-se a Geórgia e Ucrânia, que tentam se juntar ao bloco.   Os ministros da Otan irão discutir o apoio a uma missão internacional de monitoramento da região dos conflitos no Cáucaso, além de um pacote de ajuda para a Geórgia reconstruir parte de sua infra-estrutura, que foi destruída pelos ataques russos.   Washington   Ainda nesta segunda-feira, a Casa Branca declarou que a Rússia, como prometido, deveria retirar suas tropas da Geórgia "sem atrasos". O porta-voz Gordon Johndroe disse que os Estados Unidos continuam monitorando a situação. Ele estava no Texas, onde o presidente George W. Bush se encontra, em seu rancho.   A Rússia declarou que a retirada de suas forças da Geórgia começou nesta segunda-feira, mas o governo georgiano disse que não viu sinais dessa recuada. Tbilisi denunciou ainda que Moscou estaria ampliando sua presença no país.

Tudo o que sabemos sobre:
RússiaGeórgiaEUA

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.