Risco de incêndio volta a adiar novo aeroporto de Berlim

A inauguração do novo aeroporto de Berlim será adiada em até três meses devido a problemas de segurança contra incêndios, disseram autoridades na terça-feira, a menos de um mês da data prevista para a abertura.

REUTERS

08 Maio 2012 | 20h44

Quase um quarto de século após a queda do Muro de Berlim, e 13 anos depois de o governo da Alemanha unificada voltar a se instalar na cidade, a Alemanha ainda sofre para abrir um aeroporto internacional que substitua os dois da Guerra Fria.

O aeroporto de Berlim-Brandemburgo, que também será chamado de Aeroporto Willy Brandt, em homenagem ao chanceler (primeiro-ministro) alemão-ocidental da época da Guerra Fria, deveria ser inaugurado em 3 de junho. Mas a empresa operadora disse que a transferência das operações hoje centralizadas no aeroporto Tegel deverá ser adiada.

“"Não é um bom dia para o Aeroporto Berlim-Brandemburgo Willy Brandt, nem um bom dia para os cidadãos (...) e os muitos visitantes estrangeiros da região", disse o prefeito de Berlim, Klaus Wowereit, em entrevista coletiva.

O primeiro-ministro do vizinho Estado de Brandemburgo, Matthias Platzeck, disse esperar agora que o aeroporto seja inaugurado na segunda quinzena de agosto, depois das férias escolares de verão.

O aeroporto, que será o terceiro maior do país, atrás dos de Frankfurt e Munique, já teve a inauguração adiada uma vez.

Manter os dois velhos aeroportos em funcionamento custa cerca de 15 milhões de euros (19,5 milhões de dólares) por mês, e as companhias aéreas - que há meses vendem passagens para o novo aeroporto - também devem ter prejuízos.

(Por Annika Breidthardt e Sabine Siebold)

Mais conteúdo sobre:
ALEMANHABERLIMAEROPORTO*

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.