Rival de Sarkozy apoia por engano plano econômico do governo

O homem que pode tirar Nicolas Sarkozy da Presidência da França apoiou acidentalmente um plano de austeridade elaborado pelo governo conservador do presidente, quando foi colocado em votação no Parlamento.

REUTERS

08 Setembro 2011 | 10h42

Os registros de votação mostraram que o socialista François Hollande, favorito das pesquisas para vencer as eleições presidenciais do ano que vem, não seguiu seu partido e ficou ao lado do grupo conservador quando a Assembleia Nacional votou as medidas de austeridade na quarta-feira.

Um assistente de Hollande procurou explicar o erro: ele havia pedido que outro socialista registrasse o voto dele em sua ausência e o colega erroneamente votou "sim" ao invés de "não" na votação eletrônica, tanto para ele quanto para Hollande.

O plano de austeridade do governo de 12 bilhões de euros, que inclui a abolição de isenções tributárias e uma tributação maior sobre bebidas doces, foi aprovado pela Câmara Baixa do Parlamento, em uma margem de 163 votos a 97, o que permite que siga adiante no Parlamento --algo que teria acontecido mesmo sem o erro embaraçoso.

Jérome Cahuzac, o homem que deveria registrar o voto de Hollande, é chefe do comitê de finanças do Parlamento e é visto por alguns como um possível ministro das Finanças se a esquerda conquistar o poder na dose dupla de eleições presidenciais e parlamentares, que ocorrerão entre final de abril e começo de junho de 2012.

Hollande atualmente tem uma liderança confortável sobre os demais na corrida dos socialistas à Presidência, que será decidida numa votação primária do partido a ser concluída em outubro. Pesquisas regulares de intenção de voto mostram que ele derrotaria Sarkozy no ano que vem.

(Reportagem de Patrick Vignal e Elizabeth Pineau)

Mais conteúdo sobre:
FRANCA SARKOZY CONCORRENTE*

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.