Reuters
Reuters

Ronald Biggs, 'o ladrão do século', aguarda libertação

Britânico que assaltou trem pagador recebe perdão por estado de saúde; após fuga, ele viveu no Brasil por anos

07 de agosto de 2009 | 06h36

O britânico Ronald Biggs, que participou do assalto a um trem pagador em 1963, está se preparando para sua libertação formal da prisão, depois de receber o perdão por causa de seu estado de saúde. Biggs tem um caso grave de pneumonia e teve a libertação aprovada pelo ministro da Justiça Jack Straw, na quinta-feira, depois que ele foi informado de que há poucas chances de recuperação para o assaltante, que está preso na Grã-Bretanha desde 2001, após passar cerca de 30 anos foragido no Brasil. O ministro deve aprovar as condições da libertação ainda nesta sexta-feira, 7, concedendo a Biggs a libertação formal.

Segundo a BBC, Ronald Biggs, que completa 80 anos no sábado, está internado em um hospital do condado de Norfolk e teria conseguido se comunicar, dizendo que está "exultante" com a decisão. O filho dele, Michael Biggs, disse estar muito feliz que o ministro tenha decidido reverter sua decisão anterior sobre a liberdade condicional do pai, que foi recusada no mês passado.

"Meu pai já cumpriu uma longa pena de prisão. Comparando com as penas atuais, é patético que alguém ache que meu pai deve cumprir 30 anos de prisão por um assalto a trem", disse Michael, que fez sucesso no Brasil há mais de 20 anos como o Mike do grupo infantil Turma do Balão Mágico.

"A razão pela qual meu pai não recebeu a condicional é que ele não mostrou nenhum arrependimento. Meu pai mostrou remorso ao longo dos anos por ter cometido um crime. No entanto, ele não se arrependeu de ter vivido a vida que ele viveu, porque se ele tivesse feito as coisas de outra forma, ele não me teria como filho". Michael Biggs disse que, atualmente, seu pai é incapaz de andar, ler, escrever, falar e que se alimenta através de um tubo.

No mês passado, Jack Straw disse que o britânico de 79 anos não deveria receber a liberdade condicional por que ele "não demonstrou arrependimento nenhum" por suas ações e "buscou escandalosamente a (cobertura da) imprensa". Mas na quinta-feira, Straw disse que Biggs estava claramente muito doente e que sua condição havia se deteriorado recentemente, culminando com sua volta ao hospital. "A situação dele não deve melhorar. Esta é a razão pela qual eu estou concedendo o perdão a Biggs por questões médicas."

Com a libertação formal, os três funcionários da prisão de Norwich que acompanham Biggs no hospital serão dispensados. Caso seu estado de saúde melhore, ele será transferido para uma casa de repouso no norte de Londres, perto da residência do filho.

 

Biggs fugiu da cadeia na década de 60, e passou décadas como foragido no Brasil, onde, desprezando as tentativas de extradição das autoridades britânicas, levou uma existência de playboy e tornou-se uma lenda do mundo do crime. Atualmente com 79 anos, regressou ao Reino Unido por vontade própria em 2001, e desde então ficou na prisão, mas o declínio de sua saúde provocou um debate sobre se ele deveria ser solto após cumprir um terço de sua sentença de 30 anos de prisão.

 

 

Tudo o que sabemos sobre:
ronaldbiggsperdãoliberta

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.