Rússia ameaça responder contra presença de navios da Otan

Resposta virá 'com calma', diz Putin; Moscou acusa EUA de enviarem armas para Geórgia sob disfarce de ajuda

Associated Press,

02 de setembro de 2008 | 14h49

A Rússia irá responder a crescente presença de navios da Organização do Tratado de Atlântico Norte (Otan) no Mar Negro com calma e sem histeria, declarou nesta terça-feira, 2, o primeiro-ministro russo Vladimir Putin. Segundo um oficial do Ministério do Exterior, Andrei Nesterenko, há dois navios americanos, um espanhol, um alemão e outro polonês na região. Moscou já expressou várias vezes sua preocupação pela presença das embarcações.   Veja também: Rússia critica UE por suspender acordos após crise no Cáucaso Rússia diz já ter cumprido acordo de paz com Geórgia Entenda o conflito separatista na Geórgia   As autoridades americanas alegam que seus navios - do Exército e da Guarda Costeira - trazem apenas ajuda humanitária para a Geórgia, cuja infra-estrutura foi duramente afetada depois do confronto com as tropas russas em agosto. Putin afirmou que a reação virá com "calma, sem nenhuma histeria", de acordo com a agência russa Interfax. "Mas, claro, haverá uma resposta", continuou.   Quando perguntado quais medidas a Rússia poderá tomar, o premiê respondeu: "Vocês verão". Ele falou com repórteres durante uma visita ao Uzbequistão. Oficiais da Rússia acusam os Estados Unidos de enviarem armas para a Geórgia sob o disfarce de ajuda humanitária. Na semana passada, um alto general russo disse que a presença naval americana no Mar Negro é "diabólica."   "Se estamos falando de ajuda humanitária, isso deveria ser enviado à vítima da agressão, isto é, para Ossétia do Sul", declarou Putin. "Nós não entendemos o que os navios americanos estão fazendo na costa da Geórgia, mas isso é uma decisão dos nossos colegas americanos". "A questão é por quê o auxílio está sendo enviado em navios equipados com os mais novos sistemas de foguetes", questiona.

Tudo o que sabemos sobre:
RússiaGeórgiaEUA

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.