Rússia começa a retirar soldados da Geórgia

Soldados russos começaram na quarta-feira a retirar-se da zona de segurança localizada ao redor da região separatista da Ossétia do Sul (Geórgia), dois meses depois de uma rápida guerra ter gerado tensão entre a Rússia e o Ocidente. Um repórter da Reuters seguiu um comboio de cerca de 20 caminhões e veículos blindados das Forças Armadas russas enquanto deixavam o posto de controle de Karaleti e cruzavam a fronteira com a Ossétia do Sul, 20 quilômetros ao norte. A Rússia disse que a manobra terminaria dentro de um dia. O país tem até sexta-feira para completar a retirada de soldados estacionados nas zonas de segurança formadas ao redor da Ossétia do Sul e da Abkházia, outra região separatista da Geórgia. O prazo está previsto no acordo de cessar-fogo mediado pela França em nome da União Européia (UE). As zonas surgiram depois de a Rússia ter enviado tanques e soldados para rechaçar um ataque lançado pelo governo georgiano com o intuito de retomar o controle sobre a Ossétia do Sul. A contra-ofensiva russa viu-se condenada por potências ocidentais e aprofundou os temores sobre a falta de segurança no Cáucaso, uma rota de passagem do petróleo e do gás vindos do mar Cáspio em direção à Europa ocidental. "A Rússia começou a retirar suas forças de paz de todos os seis postos de controle localizados no sul da zona de segurança", disse à Reuters Igor Konashenkov, assessor do comandante das forças russas de infantaria. Uma segunda linha de soldados russos encontra-se sobre a, ou perto da, fronteira da Ossétia do Sul, o que poderia complicar os esforços da UE para verificar se a Rússia cumpriu ou não os termos do acordo. No oeste da Geórgia, um repórter da Reuters TV viu uma coluna de 50 a 60 veículos militares da Rússia saindo da base militar de Urta e cruzando o rio Inguri, para ingressar na Abkházia. Uma missão de observadores da UE, cujos membros não portam armas, monitora a retirada. Segundo essa missão, os postos de controle estavam sendo desmantelados também nas proximidades da Abkházia. A Geórgia afirmou que consideraria a retirada completa quando as forças russas deixassem a Abkházia e a Ossétia do Sul. (Reportagem adicional de Matt Robinson em Tbilisi e Liutauras Strimaitis em Zugdidi, Geórgia)

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.