Rússia confirma volta de diálogo sobre desarmamento nuclear

Negociações com os Estados Unidos sobre assinatura de novo tratado retomam em fevereiro, em Genebra

EFE,

23 de janeiro de 2010 | 09h42

A Rússia e os Estados Unidos retomarão em fevereiro, em Genebra, as negociações sobre a assinatura de um novo tratado de desarmamento nuclear, suspensas durante as férias de fim de ano, confirmaram neste sábado, 23, fontes do Ministério da Defesa russo.

 

"Foi decidido continuar o diálogo em nível de especialistas na próxima rodada de negociação sobre o Start (Tratado de Redução de Armas Estratégicas) em Genebra, prevista para fevereiro, a fim de conseguir a assinatura de um novo acordo", informou um porta-voz militar à agência Interfax.

 

O acordo foi alcançado durante as consultas mantidas na quinta e sexta-feira, em Moscou, pelo conselheiro de Segurança Nacional da Casa Branca, general James Jones, e o chefe do Estado-Maior Conjunto, almirante Mike Mullen.

 

Na capital russa, os altos cargos militares americanos se reuniram com o presidente russo, Dmitri Medvedev, e com o chefe do Estado-Maior das Forças Armadas russas, Nikolai Makarov.

 

"Durante as conversas, foram abordados assuntos relativos à preparação do projeto do novo Start e os principais parâmetros da cooperação bilateral para 2010", acrescentou a fonte.

 

Na véspera, o ministro de Assuntos Exteriores russo, Serguei Lavrov, havia expressado sua confiança de que "as questões pendentes sejam resolvidas rapidamente, assim que se retomarem as negociações".

 

O embaixador dos EUA em Moscou, John Beyrle, afirmou esta semana que "as negociações se encontram na fase final" e "concluirão muito em breve".

 

Beyrle sugeriu a possibilidade que a assinatura do novo Start ocorra durante o encontro entre Medvedev e o presidente dos Estados Unidos, Barack Obama, dentro da cúpula nuclear que será realizada em abril, nos EUA.

 

 

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.