Rússia considera novo Start crucial para relações com os EUA

Medvedev e Obama assinarão novo tratado de redução nuclear nesta quinta, em Praga

Efe

05 de abril de 2010 | 15h36

MOSCOU - A assinatura do novo tratado de desarmamento nuclear que os presidentes da Rússia, Dmitri Medvedev, e dos EUA, Barack Obama, assinarão na próxima quinta-feira, 8, em Praga, é crucial para o futuro das relações bilaterais, declarou nesta segunda-feira, 5, o governo russo.

 

Veja também:

linkObama revelará política nuclear dos EUA nesta terça

 

"É um acontecimento crucial, que terá uma profunda influência positiva no estudo de muitos outros assuntos em nossos países", afirmou Serguei Prikhodko, assessor para Assuntos Internacionais de Medvedev e chefe adjunto do gabinete da Presidência russa.

 

Obama e Medvedev assinarão na quinta-feira na capital checa um novo Tratado de Redução de Armas Estratégicas (Start, na sigla em inglês), cujo prazo de validade havia expirado em dezembro, e que reduzirá seus arsenais em 30%. O novo acordo "marca a ascensão da cooperação entre Rússia e os EUA a um novo nível e coloca os alicerces para umas relações estratégicas qualitativamente novas" que terão reflexo em novos projetos, em particular econômicos, indicou o funcionário.

 

Prikhodko disse que, durante as negociações realizadas em Genebra "sob o controle pessoal" dos dois líderes, os países partes fizeram "grandes concessões" que deram como fruto "um grande acordo".

 

Ao final, conseguiram "entrar em acordo em cortes reais das armas estratégicas ofensivas de maneira paritária, respeitando o princípio de uma segurança equitativa e indivisível, assim como novos mecanismos de verificação mais simples e menos custosos".

 

Em termos gerais, o novo tratado reduz em 30% o número de ogivas nucleares, até 1.550 por país, e limita a 800 o de vetores estratégicos, como mísseis intercontinentais, submarinos e bombardeiros estratégicos.

 

Prikhodko confirmou que, antes de assinar o tratado de desarmamento, os presidentes da Rússia e os EUA celebraram em Praga uma cúpula durante a qual repassarão os principais problemas internacionais e alguns aspectos das relações bilaterais.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.