Rússia cria força para expulsar tropas georgianas da Abkházia

São 9 mil soldados e 350 equipes militares; russos querem evitar o ocorrido na Ossétia do Sul

Efe,

11 de agosto de 2008 | 06h06

A Rússia anunciou nesta segunda-feira, 11, a criação de uma força de choque composta por 9.000 soldados para expulsar as tropas georgianas do território da região separatista da Abkházia. Veja também:Raúl Castro apóia Rússia no conflito contra a GeórgiaRússia bombardeia Tbilisi e Bush diz que ofensiva é 'inaceitável'Rússia ataca Gori; Cruz Vermelha enviará remédios à Georgia UE anuncia envio de ajuda humanitária à Ossétia do SulONU pede corredor humanitário para os civis da Ossétia do SulOtan diz que Rússia violou integridade territorial na GeórgiaGeórgia anuncia retirada de tropas da capital da Ossétia do SulEntenda o conflito separatista na Geórgia Assista ao vídeo no Youtube  Professor comenta a situação no Cáucaso  Galeria de fotos do conflito  "A força é integrada por 9.000 soldados e cerca de 350 equipes militares", assegurou Serguei Chaban, comandante das forças de paz russas na região do conflito georgiano-abkhazo, citado pelas agências russas. O general ressaltou que o objetivo dessa nova força é obrigar o Exército georgiano a abandonar os altos do desfiladeiro de Kodori, única região abkhaza sob controle georgiano. "No caso de as unidades militares e policiais georgianas não deporem as armas as tropas russas terão que tomar as medidas necessárias para obrigá-las a fazê-lo", acrescentou. O assessor do comandante-em-chefe das forças de paz, Aleksander Novitski, assegurou que o objetivo do desdobramento de novas tropas russas na Abkházia é "evitar a repetição do ocorrido com as tropas de paz na Ossétia do Sul". "As tropas russas querem impedir uma agressão militar georgiana contra a Abkházia e uma catástrofe humanitária", assinalou. A Abkházia, território banhado pelo Mar Negro, anunciou no domingo que não se deteria na fronteira da Geórgia na hora de "impor ordem" na região.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.