Rússia critica expansão de investigações da ONU sobre armas na Síria

A Rússia criticou ações ocidentais para ampliar uma investigação planejada das Nações Unidas em armas químicas na Síria e comparou isso à construção da invasão norte-americana no Iraque.

MEGAN DAVIES E STEVE GUTTERMAN, Reuters

06 de abril de 2013 | 15h57

A Rússia, que tem usado sua influência como um Estado com poder de veto no Conselho de Segurança para diminuir a pressão ocidental sobre a Síria, diz que a investigação da ONU anunciada no mês passado deve focar-se nas alegações do governo sírio de que rebeldes usaram armas químicas próximo a Aleppo.

Países ocidentais querem que outras duas reclamações de rebeldes sobre o uso de tais armas também sejam investigadas. A oposição síria disse que o governo do presidente Bashar al-Assad realizou os três ataques alegados.

Em declaração, o Ministério de Relações Exteriores da Rússia expressou neste sábado irritação com a carta que diz que o Secretariado da ONU afirmou ao governo sírio que pretende ampliar a investigação para além do incidente perto de Aleppo no final de março.

(Reportagem de Megan Davies e Steve Gutterman)

Tudo o que sabemos sobre:
RUSSIAONUSIRIA*

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.