Rússia divulga documentos secretos sobre massacre de Katyn

Massacre que ocorreu durante o governo de Stalin foi negado durante meio século

EFE

28 de abril de 2010 | 11h05

MOSCOU - A agência federal de arquivos da Rússia publicou nesta quarta-feira, 28, pela primeira vez cópias eletrônicas de documentos secretos sobre o massacre de Katyn, onde nos anos de 1940 e 1941 foram assassinados mais de 20 mil poloneses por ordem de ditador soviético Joseph Stalin.

 

"As cópias dos documentos foram postadas no site do órgão por decisão do presidente russo, Dmitri Medvedev. No site HTTP://rusarchives.ru/publication/katyn/spisok.shtml  é possível encontrar sete documentos da chamada "pasta para guardarpapéis especiais Nº1", como era chamado o arquivo máximo da chefia soviética.

 

O primeiro documento é uma nota do comissário do povo (ministro) do Interior Lavrenti Beria dirigido a Stalin na qual propõe "examinar de maneira especial, aplicando a pena máxima, o fuzilamento" a mais de 25 mil prisioneiros de guerra poloneses, na

maioria oficiais do Exército.

 

Com data de 5 de março de 1940 e com um sinal verde de Stalin e outros membros da cúpula soviética, acrescenta que estes casos devem ser vistos "sem pedir o comparecimento dos detidos e sem apresentação de acusações".

 

Durante meio século, o massacre de Katyn foi negado pela antiga União Soviética que acusou às tropas nazistas pelo crime.

 

Em 10 de abril, no dia dos atos comemorativos aos 70anos do massacre, o presidente da Polônia Lech Kaczynski morreu em um acidente aéreo quando se dirigia a Katyn.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.