Rússia diz que começa retirada da Geórgia na 2a

A Rússia anunciou para o Ocidenteque vai começar a retirar suas forças da Geórgia nasegunda-feira, após uma guerra que humilhou o país à margem domar Negro e suscitou receios sobre o fornecimento de energiapara a Europa.O presidente francês, Nicolas Sarkozy, disse no domingo que opresidente russo, Dmitry Medvedev, lhe falou ao telefone que asforças russas começarão a deixar a Geórgia por volta domeio-dia da segunda-feira. Sarkozy, representando a União Européia, disse que se aretirada não acontecer conforme o previsto no acordo decessar-fogo haverá "consequências graves" em termos dasrelações da Rússia com a União Européia. Não se viram sinais de combates no domingo, mas tropasrussas continuaram a vigiar uma barreira na entrada de Gori, sebem que com presença reduzida: dois veículos blindados detransporte de tropas. O general Vyacheslav Borisov, comandante da linha de frentena região de Gori, cidade situada a 30 quilômetros da Ossétiado Sul, disse à Reuters que as tropas russas já estão começandoa sair. "É preciso entender que o número de soldados é grande",explicou. Borisov disse que seus homens estão mantendo suas posiçõesem volta de Gori, cidade que controla o acesso à Ossétia do Sule a principal rodovia leste-oeste da Geórgia, para proteger aretirada militar russa. Meses de tensão entre a Geórgia e a Rússia, a quem aGeórgia era subordinada na antiga União Soviética, explodiramem 7 de agosto, quando Tbilisi lançou uma investida militarpara retomar o controle da região separatista da Ossétia doSul, cuja autonomia é apoiada pela Rússia. Moscou disse que1.600 civis, em sua maioria cidadãos russos, foram mortos nobombardeio georgiano. Tropas russas se marcharam da Ossétia do Sul para o coraçãoda Geórgia, assumindo controle de algumas das cidadesprincipais do país, incluindo a estrategicamente localizadaGori, em combates acirrados que duraram mais de cinco dias.Ambos os lados fizeram acusações de atrocidades. O Kremlin confirmou o anúncio de Sarkozy, feito em Paris umdia depois de a Geórgia e a Rússia terem selado um acordo decessar-fogo. "A Rússia iniciará amanhã a retirada do contingente militardeslocado para reforçar as forças de paz russas após a agressãogeorgiana contra a Ossétia do Sul", disse o Kremlin emcomunicado. A Rússia já deixou claro que não vê perspectiva no futuroprevisível de a Ossétia do Sul, que rompeu com Tbilisi em 1992,ser reintegrada à Geórgia. Há conversações em andamento com vistas a um acordointernacional sobre uma força de paz para a Ossétia do Sul. A Ossétia do Sul e a outra região separatista da Geórgia, aAbkházia, têm o apoio político de Moscou. Mas a Geórgiaaliou-se ao Ocidente e provocou a ira de Moscou ao buscaringressar na Otan.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.