Rússia diz que cooperação deve ser em pé de igualdade

Governo russo aceitou cooperar na construção de um escudo antimíssil pelos membros da Otan

EFE,

20 de novembro de 2010 | 17h32

O presidente russo, Dmitri Medvedev, condicionou neste sábado, 20, a participação da Rússia em um "escudo" antimíssil a que essa colaboração se desenvolva "em pé de igualdade e com transparência".

 

O líder russo disse que Moscou precisa analisar "o que será" esse sistema antimíssil, já que poderia "romper o equilíbrio", afirmou. No entanto, disse em entrevista coletiva que a Rússia está disposta a estudar a proposta da Otan, mas insistiu que a participação deve ser "em pé de igualdade" com os países aliados.

 

Medvedev destacou, além disso, que no mundo atual os países são "interdependentes" e as decisões de alguns influem sobre os demais, por isso advertiu que se não chegar a um acordo em torno da defesa antimíssil em dez anos "haverá uma nova corrida nuclear", o que não beneficiaria ninguém, disse.

 

Obama

 

O presidente americano, Barack Obama, disse na sexta-feira que a Organização do Tratado do Atlântico Norte (Otan) havia chegado a um acordo par implementar um sistema antimísseis conjunto para todos os 28 países do bloco.

 

"Tenho o prazer em anunciar que, pela primeira vez, concordamos em desenvolver um sistema de defesa antimísseis suficientemente capaz de cobrir todo o território dos países europeus da Otan e os EUA", disse Obama a jornalistas após o fim de uma reunião, no primeiro dia da cúpula da Otan em Lisboa.

 

Na reunião, a Otan decidiu redefinir sua estratégia de ação para os próximos anos. O bloco pretende combater novas ameaças como o terrorismo e desenvolver uma parceria estratégica com a Rússia.

 

Com informações da Reuters

Tudo o que sabemos sobre:
Otanescudo antimíssilRússiaEUA

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.