Rússia diz que está perto de acordo de arsenal nuclear com EUA

Tratado Start, que limita máximo de ogivas atômicas armazenadas pelos dois países, expira neste sábado

Efe e Reuters,

04 de dezembro de 2009 | 09h43

Rússia e Estados Unidos estão próximos de alcançar um novo acordo de desarmamento nuclear que substituirá o tratado Start, assinado em 1991 e que expira neste sábado. Segundo o Ministério de Relações Exteriores russo, o documento está praticamente pronto.

 

Em reunião em Moscou, em julho, Obama e Medvedev decidiram que o novo tratado, que teria uma vigência de dez anos, reduziria o número de ogivas nucleares de cada país a um número entre 1,5 mil e 1,675 mil nos primeiros sete anos. Seus vetores ou projéteis para lançamento seriam reduzidos também a um máximo de entre 500 e 1 mil. O tratado Start estabelece o máximo de ogivas nucleares permitidas em 2,2 mil e o número de vetores em 1,6 mil.

 

"Aproxima-se a seu termo o intenso trabalho para preparar a assinatura de um amplo tratado bilateral juridicamente vinculativo para a posterior redução e limitação do armamento estratégico", afirma a declaração divulgada pelo site oficial da chancelaria russa. A nota destaca que este trabalho é realizado de acordo com as instruções dadas pelos presidentes da Rússia, Dmitri Medvedev, e dos EUA, Barack Obama.

 

O ministério russo ressaltou que o tratado Start foi uma sólida base para o novo acordo e que "muitos de seus postulados, verificados pela passagem do tempo e da prática, são atuais nas condições de hoje". "O futuro tratado está chamado a ser um marco na causa do desarmamento e não-proliferação, marcará um trânsito para um nível mais elevado de interação entre Rússia e EUA, e confirmará a comunidade de objetivos dos dois países no fortalecimento da segurança mútua e global", acrescenta a declaração.

 

Uma fonte diplomática russa citada pela agência Interfax declarou que não se descarta que as conversas russo-americanas sobre o novo tratado, cuja oitava rodada acontecerá neste sábado, em Genebra, "continuem por mais vários dias".

Tudo o que sabemos sobre:
RússiaEUA

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.