Rússia diz que EUA revogaram alternativa ao escudo antimísseis

Chanceler afirma que proposta apresentada não inclui termos apresentados na reunião com os americanos

Agências internacionais,

05 de dezembro de 2007 | 10h45

A Rússia denunciou nesta quarta-feira, 5, que os Estados Unidos revogaram as propostas feitas na reunião de ministros de Defesa e de Exteriores dos dois países em outubro para reverter a desconfiança russa na instalação do sistema de defesa antimísseis no Leste Europeu. O ministro de Exteriores russo, Serguei Lavrov, afirmou que as propostas por escrito recebidas por Moscou não prevêem mais a prometida presença permanente de militares russos na estação do radar e na base de interceptores que os EUA querem instalar na República Tcheca e na Polônia, respectivamente. "Sinceramente, estamos decepcionados, porque aquelas idéias, que estavam em bom caminho, se materializaram em um documento que não acrescenta nada de novo à situação existente antes da reunião ministerial em Moscou", disse Lavrov. O ministro acrescentou que, naquela reunião, os EUA propuseram, para tranqüilizar Moscou, que o radar na República Tcheca fosse posicionado, mas não ativado, e que houvesse a construção dos locais para os interceptores, mas ainda sem a instalação de armas. Os Estados Unidos querem construir um sistema que vai permitir a interceptação de mísseis balísticos. Este sistema envolve radares estacionários no Alasca e na Califórnia, nos Estados Unidos, e em Fylingdales, no Reino Unido. Outro radar está planejado para a Groenlândia. Segundo a BBC, mísseis interceptadores, estão sendo colocados no Alasca (40 deles) e Califórnia (quatro) e o plano é colocar dez deles na Polônia com um radar associado na República Checa. Os Estados Unidos afirmam que necessitam de um sistema de defesa antimísseis para conter a ameaça de países como o Irã e a Coréia do Norte.

Tudo o que sabemos sobre:
RússiaEUA

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.