Rússia diz que Kosovo ameaça destruição da ordem mundial

Em conversa com secretária dos EUA, chanceler russo reafirma oposição de Moscou à independência

Agência Estado e Associated Press,

19 de fevereiro de 2008 | 11h50

O ministro das Relações Exteriores da Rússia, Serguei Lavrov, manifestou a preocupação de Moscou com a declaração de independência de Kosovo durante uma conversa com a secretária de Estado dos EUA, Condoleezza Rice, segundo informou nesta terça-feira, 19, a chancelaria russa por meio de um comunicado.   Otan inicia ações contra protestos em Kosovo Bush diz que independência trará paz aos Bálcãs UE permite reconhecimento individual Kosovo faz o mundo pisar em ovos  Entenda o que está em jogo em Kosovo Mapa: a disputa dos Bálcãs  Veja lista de países que reconhecem a independência do Kosovo    Num telefonema feito na segunda-feira por Rice a Lavrov, o chanceler russo "manifestou a fundamental posição (russa) de que a ação unilateral de Pristina ao declarar a independência do território é inaceitável", diz a nota do Ministério das Relações Exteriores da Rússia. Lavrov enfatizou ainda "o perigo de tal iniciativa, que acarreta o risco de destruição de uma ordem mundial que levou séculos para ser consolidada, e da segurança internacional", prossegue o documento.   Os termos usados por Lavrov repetem a advertência feita pela chancelaria russa no domingo, pouco depois de os líderes albaneses étnicos da província terem declarado o Kosovo independente da Sérvia. O governo russo já vinha avisando que não aceitaria nenhum resultado rejeitado pela Sérvia. Tradicionais aliados, Moscou e Belgrado compartilham raízes eslavas e cristãs ortodoxas.   A Rússia opõe-se veementemente à independência do Kosovo, que contou com o apoio das principais potências ocidentais. Moscou sustenta que nenhuma fronteira nacional pode ser alterada sem o total consentimento das partes.   Na semana passada, o presidente da Rússia, Vladimir Putin, declarou que reconhecer a independência do Kosovo - como os Estados Unidos fizeram - seria um ato "ilegal e imoral". Putin acusou ainda as principais potências ocidentais de aplicarem "dois pesos e duas medidas" e advertiu que o reconhecimento da independência de Kosovo animaria movimentos separatistas em outras regiões do planeta.   A Rússia lembrou ainda que a declaração de independência viola uma resolução do Conselho de Segurança (CS) da Organização das Nações Unidas (ONU) sobre a questão do Kosovo e pediu a anulação da declaração.   O governo russo ficou particularmente irritado com o fato de os países ocidentais terem reconhecido a independência do Kosovo à revelia do CS da ONU, organismo no qual Moscou possui cadeira permanente e poder de veto.   A disputa em relação ao Kosovo aprofundou as tensões entre a Rússia e os países ocidentais, especialmente os EUA, em um momento no qual as relações pós-Guerra Fria estão em baixa por causa dos desentendimentos em temas que vão de planos de segurança e questões militares a democracia e direitos humanos.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.