Rússia e Ucrânia mantêm buscas de marinheiros no Mar Negro

Cerca de 730 pessoas procuram desaparecidos em naufrágios que causaram 'desastre ambiental' na região

Agências internacionais,

13 de novembro de 2007 | 13h44

Cerca de 730 pessoas ainda trabalham nesta terça-feira, 13, para encontrar 20 marinheiros desaparecidos após o naufrágio de cinco embarcações no Mar Negro. No último domingo, fortes tempestades afundaram as embarcações causaram o derramamento de pelo menos 1,3 mil toneladas de um derivado de petróleo.   Ministros russos e ucranianos, cujo país também foi atingido pelo vazamento de combustível, devem visitar as áreas afetadas no mar Negro. O objetivo é avaliar os danos ambientais causados pelos naufrágios. Além do derivado do petróleo, um outro navio derramou 2 mil toneladas de enxofre na região do estreito.   Até agora, autoridades russas confirmaram a morte de três navegantes. Eles eram membros da tripulação de um cargueiro que imergiu no estreito de Kerch, entre o mar Negro e mar Azov. Outros cinco tripulantes deste navio estão desaparecidos.   Outros 15 marinheiros faziam parte de uma embarcação carregada de fragmentos de metal. Autoridades marítimas suspeitam de que os 20 desaparecidos estejam mortos.   O derramamento da carga dos navios no mar negro foi definida pelo governo russo como um "desastre ambiental".   Na última segunda, a mancha de combustível que vazou do petroleiro Volga-Neft atingiu a costa russa. "A mancha já chegou à costa. As aves posam sobre o combustível e morrem", assegurou Aleksandr Dovgal, diretor-adjunto da filial da Corporação Portuária Russa em Tamansk, citado pela agência Interfax.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.