Rússia envia mais soldados para região separatista da Geórgia

Um contingente suplementar de soldadosrussos começou a desembarcar na região separatista da Abkházia,na Geórgia, afirmaram meios de comunicação da Rússia naquinta-feira. A Rússia anunciou na semana passada o envio de cerca de milsoldados de uma força de paz àquela região a fim de responderao que descreveu como sendo planos georgianos para um ataque. Os líderes pró-Ocidente da Geórgia consideraram o reforçoum ato irresponsável e ilegal. O Ministério da Defesa da Rússiadisse que o contingente suplementar permaneceria dentro dolimite de 3.000 soldados permitido por um acordo de cessar-fogoassinado em 1994 dentro da Organização das Nações Unidas (ONU). "O contingente serve para complementar as unidades em seuslocais de atuação", disse o ministério em um comunicado,segundo a agência russa de notícias RIA. "As forças de paz russas começaram a montar depósitos dearmas, áreas de estacionamento para veículos e cozinhas decampanha. Encontram-se em andamento operações para proteger asáreas de atuação e equipar os locais de comando e os sistemasde comunicação." A TV estatal da Rússia mostrou imagens de uma coluna decaminhões e veículos blindados do Exército russo atravessandoSukhumi, a maior cidade da Abkházia. Essa faixa de terra semitropical da costa do mar Negrocostumava servir de área de lazer para a elite do regimesoviético. A Abkházia, no entanto, viu-se devastada pelosconfrontos entre forças separatistas e soldados georgianosdurante a década de 90. Internacionalmente, a região continua a ser reconhecidacomo parte da Geórgia, mas desde o final dos conflitos, e com oapoio da vizinha Rússia, é administrada de forma independente. A Geórgia, ex-república soviética que enfureceu o governorusso ao tentar ingressar na Organização do Tratado doAtlântico Norte (Otan), diz que as forças de paz russasaliaram-se com os separatistas. O país, parte fundamental darota de escoamento dos combustíveis produzidos na Rússia, fazlobby para que os soldados russos sejam substituídos por umaforça multinacional. E nega ter qualquer plano de atacar a Abkházia. O envio dos soldados acontece depois do anúncio, pelogoverno russo, de que intensificaria seus laços com osseparatistas e de alegações do governo georgiano de que aRússia derrubou um avião-robô dele usado em missões deespionagem. Os russos rebateram tal acusação. Diplomatas do Ocidente afirmam que as manobras russasserviram para aprofundar o clima de tensão nessa instávelregião e que basta uma pequena fagulha para o início de umanova rodada de enfrentamentos armados.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.