Rússia envia navios a base síria, dizem agências

Moscou está enviando três navios de desembarque tripulados por fuzileiros navais para uma base naval russa no porto sírio de Tartus, disseram agências de notícias russas na sexta-feira, citando fontes militares

GLEB BRYANSKI, Reuters

03 de agosto de 2012 | 09h05

A fonte disse que cada barco leva até 120 fuzileiros, e que eles já estão no Mediterrâneo e chegarão a Tartus ainda nesta semana ou no começo da próxima.

De acordo com essa fonte, o objetivo dos navios é reabastecer a pequena unidade russa de manutenção e reparos, onde trabalham menos de cem pessoas, segundo analistas.

A Rússia já havia dito anteriormente que pretendia enviar fuzileiros à Síria para o caso de precisar proteger seu pessoal ou retirar equipamentos da instalação naval.

O ministério russo da Defesa não quis comentar a mobilização. Uma fonte do Estado-Maior disse que os navios devem voltar ao porto russo de Novorossiysk depois de passarem vários dias em Tartus.

A Síria é a principal posição para a presença russa no Oriente Médio, e Damasco comprou no ano passado o equivalente a 1 bilhão de dólares em armas da Rússia, ou 8 por cento do total das exportações bélicas de Moscou.

Moscou é também o mais firme aliado do presidente da Síria, Bashar al-Assad, que há 17 meses reprime com violência uma rebelião que tenta derrubá-lo. A Rússia tem usado seu poder de veto no Conselho de Segurança da ONU para blindar Assad de qualquer resolução que possa resultar em sanções ao regime sírio.

Os russos criticaram o Ocidente pelo fracasso dos esforços diplomáticos encabeçados pelo enviado especial da ONU e da Liga Árabe, Kofi Annan, que renunciou na quinta-feira. Moscou disse lamentar sua saída.

"Ele é um mediador honesto, mas há os que o desejam tirar do jogo para desatarem suas mãos para o uso da força. Isso já está claro", disse o vice-chanceler Gennady Gatilov no Twitter.

Tudo o que sabemos sobre:
RUSSIASIRIANAVIOS*

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.