Informação para você ler, ouvir, assistir, dialogar e compartilhar!
Tenha acesso ilimitado
por R$0,30/dia!
(no plano anual de R$ 99,90)
R$ 0,30/DIA ASSINAR
No plano anual de R$ 99,90

Rússia espera que Obama opte por relações plenas com país

Medvedev vai posicionar foguetes táticos, em resposta ao escudo antimísseis dos EUA no Leste Europeu

EFE,

05 de novembro de 2008 | 09h48

O presidente da Rússia, Dmitry Medvedev, mostrou nesta quarta, 5, sua esperança de que a nova Administração nos Estados Unidos reforce as relações com Moscou.   "Esperamos que nossos parceiros - a nova Administração dos Estados Unidos - optem por manter relações plenas com a Rússia", disse Medvedev, ao pronunciar sua mensagem anual sobre o estado da nação perante o Parlamento em plenário, reunido no Kremlin, e que durou 1 hora e 25 minutos.   O chefe do Estado russo ressaltou que "o progresso na cooperação russo-americana tem uma importância-chave".   "Não é um segredo que muitos Estados se orientam de acordo com o vento nas relações entre Rússia e Estados Unidos. Sim, atualmente estas relações não vivem o melhor momento", reconheceu.   Declarou que a Rússia também tem queixas sobre a política dos EUA, entre elas "algumas de tipo moral".   "Mas destaco: não temos problema algum com o povo americano, não padecemos de antiamericanismo inato", disse.   Segundo Medvedev, "no desenvolvimento da situação internacional dos últimos anos, se somaram várias tendências negativas".   "As respostas às novas ameaças só podem ser encontradas com um esforço coletivo, e justamente por isso defendemos uma reforma pensada da ONU", disse. Na opinião do chefe de Estado russo, "para isso, é necessário empreender medidas para o desenvolvimento de um regime internacional de controle do armamento". Acrescentou que, neste assunto, a interação entre Moscou e Washington "é de primordial importância".   Foguetes em Kaliningrado   O presidente russo advertiu que a Rússia posicionará foguetes táticos Iskander na região ocidental de Kaliningrado, em resposta à instalação do escudo antimísseis dos Estados Unidos no Leste Europeu.   "Para poder neutralizar, em caso de necessidade, o sistema de defesa contra mísseis, na região de Kaliningrado, será posicionado o sistema de foguetes Iskander".   O chefe do Kremlin informou que também ordenou cancelar os planos de retirar do serviço três regimentos da divisão de mísseis de Kozelsk, na parte ocidental do país.   Acrescentou que, de Kaliningrado, serão realizadas interferências radioeletrônicas dos elementos do escudo antimísseis que os Estados Unidos planejam instalar no Leste Europeu: um radar na República Tcheca e cerca de dez mísseis interceptores na Polônia.   "São medidas forçadas. Declaramos mais de uma vez a todos nossos parceiros que desejamos manter uma cooperação positiva e atuar juntos contra as ameaças comuns, mas infelizmente não querem nos ouvir", disse.   O líder russo denunciou que, pelo contrário, os EUA continuam seus planos do posicionamento do escudo antimísseis, enquanto a Organização do Tratado do Atlântico Norte (Otan) "cerca de bases" a Rússia.   "Cria-se a forte impressão de que estão colocando à prova nossa firmeza. Mas quero declarar que somos perfeitamente capazes de garantir a segurança dos cidadãos russos", ressaltou Medvedev.

Tudo o que sabemos sobre:
Rússiaescudo antimísseisEUA

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.