Rússia expressa oposição a armar rebeldes na Líbia

A Rússia alertou o Ocidente nesta quarta-feira contra o envio de armas aos rebeldes que lutam contra o líder líbio Muammar Gaddafi e afirmou que os líbios devem forjar seu futuro político sem interferências.

REUTERS

30 de março de 2011 | 07h55

Com o presidente dos Estados Unidos, Barack Obama, e outros líderes afirmando que não descartam armar os rebeldes, o ministro russo das Relações Exteriores, Sergei Lavrov, enfatizou a oposição da Rússia.

"Não há muito tempo atrás o ministro francês do Exterior disse que a França está pronta para discutir o fornecimento de armas para a oposição líbia com os parceiros da coalizão", disse Lavrov em entrevista coletiva após conversas com seu colega austríaco.

"De imediato, o secretário-geral da Otan (Andres) Fogh Rasmussen disse que a operação na Líbia está sendo conduzida para proteger a população, não para armá-la. Concordamos completamente com o secretário-geral da Otan sobre isso", disse Lavrov.

Falando sobre o futuro político da Líbia, Lavrov disse ser óbvia a necessidade de reformas no país, mas afirmou que "as partes líbias têm de concordar com o que deve ser o Estado líbio".

"Está claro que será um regime diferente, e está claro que deve ser um regime democrático, mas os próprios líbios devem decidir sem influência externa."

Tudo o que sabemos sobre:
RUSSIAARMASREBELDES*

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.