Rússia inicia retirada da Geórgia, mas Tbilisi pede mais ações

Moscou diz que tropas saíram de todos os postos de controle; chancelaria georgiana reclama 'saída definitiva'

Agências internacionais,

08 de outubro de 2008 | 15h10

A Rússia iniciou nesta quarta-feira, 8, a retirada de suas tropas de zonas tampão da Geórgia, mas o governo de Tbilisi pediu mais ações russas antes da data-limite para a saída dos soldados de Moscou. O Ministério da Defesa russo informou que as tropas foram removidas de todos os seis postos de controle da zona tampão ao redor da província rebelde de Ossétia do Sul. Na mesma linha, um porta-voz do Ministério do Interior georgiano afirmou que a retirada das zonas de segurança foi completada. Mas o ministro do Exterior da Geórgia, Eka Tkeshelashvili, disse que as tropas russas ainda devem sair de dois disputados enclaves na Ossétia do Sul e Abkházia até 10 de outubro. O presidente russo, Dmitri Medvedev, pretende terminar a retirada até a meia-noite desta quarta.   "Até 10 de outubro, as forças russas devem sair definitivamente dos territórios que nunca foram parte das regiões de conflito da Ossétia do Sul ou Abkházia depois da dissolução da União Soviética", afirmou Tkeshelashvili. O chefe da missão de observadores da União Européia (UE), Hansjoerg Haber, disse que a Rússia "parece ter completado a maior parte da retirada", mas acrescentou que seu time de monitores ainda iriam verificar a situação.   Segundo o acordo assinado no início de setembro por Medvedev e pelo presidente francês, Nicolas Sarkozy, a Rússia tem até a meia-noite de sexta-feira de prazo para recuar suas tropas da região. O ministro de Assuntos Exteriores francês, Bernard Kouchner, chega na quinta-feira a Tbilisi para confirmar se a Rússia cumpriu efetivamente seu compromisso de retirar todas as tropas em um prazo de dez dias após os observadores europeus chegarem à região.   Forças russas invadiram a Geórgia em 8 de agosto, um dia depois de forças georgianas terem deflagrado uma ofensiva militar para recuperar a Ossétia do Sul, uma província separatista pró-Moscou.   As movimentações desta quarta são o primeiro passo das tropas russas dos postos de controle instalados em território georgiano. A saída foi definida no acordo assinado entre Moscou e Tbilisi no plano de paz de seis pontos firmado em agosto, renegociado por problemas de tradução e interpretação das partes implicadas. Medvedev pediu também que os 200 observadores da UE enviados para a área "evitem qualquer provocação do regime de Tbilisi."   No dia 1 de outubro, outra etapa do plano de paz foi cumprida. O primeiro grupo de observadores internacional entrou nas províncias separatistas cujas independências foram reconhecidas por Moscou.  A UE mandou cerca de 200 monitores civis para a região do conflito, com o objetivo de garantir que o cessar-fogo entre os dois países fosse cumprido. No dia 15 de outubro, acontece em Genebra uma reunião internacional sobre a segurança no Cáucaso e o retorno dos refugiados que fugiram da região com a guerra iniciada em agosto.

Tudo o que sabemos sobre:
GeórgiaRússiaOssétia do Sul

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.