Rússia lança navio que abrigará 1ª usina nuclear flutuante do mundo

Segundo chefe da agência nuclear russo, usina é segura; ambientalistas discordam

Reuters,

30 de junho de 2010 | 20h29

SÃO PETESBURGO, RÚSSIA- A Rússia deu nesta quarta-feira, 30, um grande passo em direção a controversa criação da primeira usina nuclear flutuante do mundo, lançando no mar Báltico uma embarcação que irá abrigar a estação na água. Segundo ambientalistas, os planos russos de construir usinas nucleares flutuantes na costa norte do país é arriscado.

 

Sergei Kiriyenko, chefe da Rosatom, a agência nuclear russa, afirmou que a usina seria "absolutamente segura" e previu "um grande interesse de clientes do exterior".

 

Quase 25 anos após a tragédia de Chernobyl na então soviética Ucrânia, a Rússia planeja expandir sua rede de usinas nucleares e firmar acordos para construir plantas no exterior.

 

Segundo Kiriyenko, a usina flutuante estará pronta em 2012 e será instalada posteriormente na região de Murmansk, mais ao norte. Ela será desativada após 32 anos de operação, "deixando a área ao redor do mesmo modo que estava antes da estação", de acordo com o funcionário.

 

De acordo com Kiriyenko, a usina flutuante teria a capacidade de produzir 80 megawatts de eletricidade, e que ao menos seis locais potenciais para abrigar a usina foram escolhidos no norte da Rússia.

 

Ambientalistas não estão convencidos. "O perigo começa quando o reator for instalado e abastecido com combustível nuclear", afirmou Vladimir Chuprov, chefe de projetos de energia do Green Peace russo.

 

"Se algo der errado... Isso pode significar a nuclearização de várias dezenas de hectares de terras, no mínimo, e dezenas de milhares de pessoas evacuadas da área poluída", acrescentou Chuprov.

 

Críticos também chamam a atenção para acidentes nucleares ocorridos na era soviética e desastres navais russos, como a perda do submarino nuclear Kursk, que afundou no Mar de Barents após explosões a bordo, o que matou toda a tripulação de 118 pessoas.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.