Rússia não cederá em oposição a endurecer sanções contra Irã

Declaração é resposta ao governo americano, que afirmou acordo com russos mudaria sua postura

Efe,

14 de julho de 2009 | 16h01

A Rússia não está disposta a ceder em sua oposição a endurecer as sanções contra o Irã em troca de um novo acordo de desarmamento nuclear com os Estados Unidos, disse nesta terça-feira, 14, uma fonte do Ministério de Assuntos Exteriores russo.

 

Veja também:

linkRússia anuncia teste bem-sucedido de míssil de longo alcance

especialEspecial: As armas e ambições das potências nucleares

 

"Consideramos que essa vinculação não tem nenhum fundamento", disse à agência "Interfax" um diplomata russo, que pediu para não ser identificado. A fonte ainda acrescentou que, "nestes dois assuntos, diferentes em essência e pelo formato de seu estudo, as trocas são inadmissíveis".

 

O diplomata ressaltou que a assinatura de um novo tratado entre Rússia e Estados Unidos para a redução das armas estratégicas ofensivas é importante, mas não deve ter o envolvimento do país árabe. "Não vemos motivos para vincular estes assuntos nem para acreditar que, em caso de progresso das conversas com os EUA sobre a posterior redução de armas estratégicas ofensivas, a Rússia estará disposta a ceder no tema do endurecimento das sanções contra o Irã", disse.

 

A declaração do diplomata ocorre depois que altos funcionários do governo americana afirmaram que a assinatura do novo tratado de desarmamento tornará à Rússia mais permeável quanto ao endurecimento das sanções ao Irã.

 

Gary Samore, conselheiro do presidente dos Estados Unidos, Barack Obama, para o controle da armas nucleares e a não-proliferação, declarou recentemente, em Londres, que a Rússia precisa com urgência de um novo tratado de desarmamento para se desfazer-se de seu arsenal obsoleto.

 

De acordo com Samore, caso o tratado esteja pronto no final deste ano, a Rússia poderia se inclinar em apoiar o endurecimento das sanções ao Irã devido ao programa nuclear que desenvolve.

Tudo o que sabemos sobre:
RússiaEUAIrãnucleararmamentosacordo

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.