Rússia não entrará em corrida armamentista, diz Putin

O presidente russo, Vladimir Putin,disse na sexta-feira que a Rússia não vai se deixar arrastarpara uma nova corrida armamentista. "Já está claro que uma nova corrida armamentista está sendodesencadeada no mundo. Não podemos nos permitir ser arrastadospara isso", disse ele em discurso ao Conselho de Estado, quereúne ministros, governadores e parlamentares. Em seus oito anos de governo, Putin elevou os gastosmilitares e aprovou exercícios bélicos em grande escala, alémde criticar as operações -- ameaçadoras, segundo ele -- da Otanjunto às suas fronteiras, assim como o plano dos EUA parainstalar um escudo antimísseis na Europa Oriental. "Não é nossa culpa, não começamos isso, a canalizar muitosbilhões de dólares para o desenvolvimento de sistemas de armas.A própria Otan (Organização do Tratado do Atlântico Norte) estáse expandindo, aproximando-se das nossas fronteiras", disse. "Retiramos nossas bases de Cuba e do Vietnã", continuouele. "O que recebemos em troca? Novas bases norte-americanas naRomênia, na Bulgária; uma nova terceira região de defesa contramísseis, na Polônia, onde está sendo construída." Os laços entre a Otan e a Rússia foram afetados pelaspreocupações com o escudo norte-americano, pela retirada russade um importante tratado sobre armas e por discordâncias arespeito do futuro de Kosovo. (Por Tanya Mosolova)

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.