Rússia não estará isolada e não teme sanções, diz Putin

Premiê russo alerta Europa para não ficar ao lado dos EUA; Ocidente avalia punições por conflito no Cáucaso

AP e Reuters,

29 de agosto de 2008 | 15h21

O primeiro-ministro russo Vladimir Putin disse nesta sexta-feira, 29, que seu país não estará isolado na questão da Geórgia e indicou que não teme nenhuma possível sanção ocidental. O premiê também alertou a Europa para não ficar ao lado dos Estados Unidos.   Veja também: Geórgia rompe laços diplomáticos com a Rússia Ossétia diz que negocia anexação e base russa EUA orquestraram ofensiva da Geórgia na Ossétia, diz Putin EUA: revanchismo russo mostra 'fraqueza' Entenda o conflito separatista na Geórgia   Putin fez a declaração em uma entrevista na televisão alemã, depois de um encontro da União Européia (UE) para discutir a crise no Cáucaso e o futuro das relações com a Rússia. Ele disse que a Rússia defenderá a honra e as vidas de seus cidadãos nas operações em Ossétia do Sul, província separatista da Geórgia, e adiantou que a nação não enfrentará isolamento.    O premiê atacou as nações européias por apoiarem os EUA na independência de Kosovo e disse que a Europa não ganhará nada "servindo aos interesses da política externa" dos Estados Unidos.   Putin afirmou ainda que a Rússia agiu de acordo com a lei internacional ao defender Ossétia do Sul, que foi atacada por forças de Tbilisi no começo do mês e levou à crise na região.   Ele disse que a Rússia não quer relações tensas com nenhuma nação, e que as leis foram aplicadas corretamente. "Nós queremos boas relações de parcerias com todos. Não temos intenção de agir com leis especiais por nossa conta. Queremos todos trabalhando de acordo com as regras, conhecida como lei internacional", acrescentou Putin. "Não queremos que ninguém manipule esse conceito."  

Tudo o que sabemos sobre:
RússiaGeórgiaEUA

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.